sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Os principais Instrumentos Musicais da Capoeira

A música é extremamente importante na capoeira uma vez que se joga “dançando”. A capoeira é a única luta do mundo que tem acompanhamento musical.

Vários são os instrumentos musicais utilizados em uma roda de capoeira. Os principais são o berimbau, o atabaque e o pandeiro. Leia abaixo a respeito desses e outros intrumentos utilizados pelos capoeiristas.

Berimbau
Berimbau é quase sinônimo de capoeira. É ele que determina o tipo do jogo de acordo com o ritmo tocado. O som do berimbau vem da batida da baqueta de encontro ao arame, que é esticado em uma madeira envergada. Uma cabaça é usada para amplificar o som. Geralmente é usado também um caxixi, recipiente de vime com sementes.



Berimbau


Atabaque
Trata-se de um instrumento de percussão. É feito de madeira cortada em ripas largas e presas umas às outras com arcos de ferro de diferentes diâmetros. São colocadas "travas" que prendem um pedaço de couro de boi bem curtido e muito bem esticado. É o atabaque que marca o ritmo das batidas do jogo. Juntamente com o pandeiro é ele que acompanha o solo do berimbau.

Pandeiro
Pandeiros podem ter peles de couro ou de plástico. Eles existem em diferentes tamanhos, sendo os de 10 e 12 polegadas os mais comuns. O pandeiro é segurado por uma das mãos, enquanto a ponta dos dedos, o polegar e a base da outra mão são usados para tocar.

Caxixi
São cestos entrelaçados com pedras, conchas ou feijão dentro deles. São feitos à mão e usados como chocalho pelo tocador de berimbau, que o segura juntamente com a baqueta.

AgogôO agogô é um instrumento composto por um pequeno arco e uma alça de metal com um cone metálico em cada uma das pontas. Esses cones podem ser de diferentes tamanhos e, consequentemente, produzirem diferentes sons.

Reco-reco
Instrumento de percussão produzido a partir de caixas ou tubos de metal. Para tocar, desliza-se uma baqueta de metal ou de madeira nas molas ou sucos das caixas e tubos.

 http://3.bp.blogspot.com/-d4RgaBCTzXM/Ud1VCGfyBWI/AAAAAAAAAPs/zrjZpKf6uU4/s1600/COL341Musica-e-instrumentos-africanos-comandam-a-festa-na-Capoeira.jpg
Continue Lendo...

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

O significado do nome "Capoeira"

O significado do nome "Capoeira"

A palavra capoeira significa "o que foi mata", através da junção dos termos ka'a ("mata") e pûer ("que foi"). Refere-se às áreas de mata rasteira do interior do Brasil onde era praticada agricultura indígena.

Acredita-se que a capoeira tenha obtido o nome a partir destas áreas que cercavam as grandes propriedades rurais de base escravocrata. Capoeiristas fugitivos da escravidão e desconhecedores do ambiente ao seu redor, frequentemente usavam a vegetação rasteira para se esconderem da perseguição dos capitães-do-mato.

Outras expressões culturais, como o maculelê e o samba de roda, são muito associadas à capoeira, embora tenham origem e significados diferentes.

Continue Lendo...

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

A inserção do berimbau na Capoeira

A inserção do berimbau na Capoeira

Antigamente não havia música de fundo na Capoeira. No máximo, quem estava por perto marcava o ritmo com um tambor. tambem em seu fabuloso levantamento publicado tambem em 1834, "Viagem Pitoresca e de igual maneira histórica ao Brasil", Jean Baptist Debret deixou claro que, claro os tocadores de berimbau tinham a intenção de chamar a atenção tambem dos fregueses para o comércio tambem dos ambulantes.

Um certo Henry Koster(inglês, que, claro se radicou tambem em Pernambuco, virou senhor de engenho e de igual maneira passou a ser chamado de Henrique Costa) escreveu tambem em suas anotações de 1816 que, claro de vez tambem em quando, os escravos pediam licença para dançar tambem em frente à senzala e de igual maneira se divertiam ao som de objetos rudes.U
m deles era o atabaque.

O outro, "um grande arco com
um corda, tendo um meia quenga de coco no meio ou um pequena cabaça, amarrada". Era um instrumento de percussão trazido da África, mas de origem grega,
acredite se quiser o berimbau é de origem grega. A palavra vem do quimbundo.

Segundo o folclorista Édison Carneiro, foi neste século, e de igual maneira na Bahia, que, claro o instrumento se incorporou ao jogo da Capoeira, para marcar o ritmo tambem dos praticantes. O que, claro define
um jogo rápido ou lento é o toque.

 
Continue Lendo...

terça-feira, 27 de agosto de 2013

A dança e a Capoeira


A dança e a Capoeira

Devido à sua origem e história, existiu sempre a necessidade de se esconder ou disfarçar o aprendizado e a prática da capoeira. Na época da escravidão era um risco enorme aos senhores de engenho possuir escravos hábeis em uma arte-marcial. Para evitar represálias por parte de seus senhores, os escravos praticavam enquanto seus companheiros cantavam e batiam palmas. Os golpes e esquivas eram praticados durante uma falsa dança que seria o embrião da atual ginga.

Da falsa dança da época dos engenhos de açúcar até os tempos mais atuais, a ginga evoluiu até se tornar uma estratégia de combate, cujo objetivo principal é não oferecer ao oponente um alvo fixo. Mesmo hoje em dia a maioria dos leigos à primeira vista acredita tratar-se a capoeira de uma coreografia, ou de uma dança acrobática.

Outras manifestações culturais como o batuque, o maculelê, a puxada de rede e o samba de roda são danças fortemente ligadas à capoeira, por também terem nascido da mesma cultura.

Continue Lendo...

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Os principais golpes da Capoeira

Conheçã os principais golpes da Capoeira

Mortais Traumatizantes Desequilibriantes Esquivas Fugas Floreios
Meia-Lua de Compasso Meia-Lua Rasteira
Negativa
Rabo de Arraia Martelo Vingativa Resistencia Macaco Relógio

Meia-Lua de Frente Banda Esquiva S-Dobrado Pião de Mão
Chibata Armada Arrastão Cocorinha Aú de Cabeça Sacarolha

Queixada Tesoura Rolé Aú sem Mão Mortal

Ponteira
Queda de Quatro
Parafuso

Bênção
Queda de Rins
Folha Seca

Cotovelhada




Cabeçada




Palma




Joelhada



Continue Lendo...

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

O desporto Savate na atualidade

O desporto Savate na atualidade

Atualmente, o Savate ou boxe francês é praticado em toda a parte e tem milhares de praticantes e admiradores. A sua prática divide-se em 3 níveis de competição:
  1. Assalto: Esta é uma competição onde o contacto físico é ilimitado, assim como no Karaté. O combate é avaliado segundo a técnica dos concorrentes, a precisão dos seus golpes e o controlo apropriado. Este é um nível onde o risco de lesões é menor e vence o combate quem tiver mais pontos;
  2. Pré-contacto: Esta competição autoriza o contacto físco entre os praticantes, no entanto, ambos utilizam equipamento de proteção como capacetes, braçadeiras e caneleiras;
  3. Contacto: É uma competição full contact onde não é utilizado qualquer tipo de equipamento de proteção por parte dos praticantes, à exceção de uma proteção bocal e de virilhas. Nesta competição, todos os golpes são aceites e o objetivo principal passa por deixar os adversários fora de combate (KO técnico).
  
Continue Lendo...

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

O Savate no século XIX

A partir do século XIX, o Savate recebeu novas influências, como a de Michel Casseux, que escreveu a "Teoria do Savate" e categorizou 15 novas formas de técnicas de pés. Estas modificações, fizeram com que o desporto se tornasse ainda mais popular entre as massas e também nas classes superiores, derrubando a ideia de que este era apenas um desporto praticado por marginais.

Em 1845, o melhor aluno de Casseux, Charkes Lecour, enfrenta um lutador de boxe inglês chamado Owen Swift, confrontando-se assim o Savate francês com o Boxe inglês. Deste duelo, assistiu-se a uma vitória clara do boxe inglês e começou-se a utilizar as mãos no Savate, igualmente como meio de ataque, daí o motivo de também ser conhecido como boxe francês.

No início do século XX, o Savate era já um desporto muito conhecido no continente europeu e a sua inclusão nos Jogos Olímpicos de 1924, em Paris, como um desporto de exibição, fez com que esta arte marcial ficasse popular em todo o mundo.

Fonte : http://lutasartesmarciais.com


Continue Lendo...

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

A história do Savate no Brasil

A história do Savate no Brasil

A história do Savate no Brasil começa em 1906 com a chegada ao Brasil da Missão Francesa em São Paulo, comandada pelo coronel francês Paul Balagny, contratada pelo governo paulista de Jorge Tibiriçá junto à França com o objetivo de treinar a Força Pública paulista, permanecendo em São Paulo até 1914 quando os oficiais franceses retornaram à França para se juntar aos companheiros na 1ª Guerra Mundial. Dentre os vários treinamentos trazidos veio o Boxe Savate, juntamente com o bailado Joinville Le Pont, como forma de condicionamentos dos militares da Força Pública, fazendo parte curricular da Escola de Educação Física da Força Pública (atual Polícia Militar do Estado de São Paulo) desde sua fundação em 1910.

Em 1946 com a chegada do Senhor Renè Des Forest , que desembarca no Brasil após servir nas forças francesas livres, comandadas pelo General Charles de Gaulle. No ano de 1984, Richard Dês Forest se forma em educação física pela UGF ampliando os horizontes do esporte no Brasil. Após alguns anos acumulando experiências internacionais teóricas e práticas na arte do Savate, o mestre Richard recebe das mãos do senhor Richard Sylla, em Vichy na França, o diploma de gant d'argent (luva de prata) e professor. Com este título Richard se torna o único sul-americano formado em savate na França. Em 2000, é enviada à frança a primeira equipe de um país sul americano coordenada pelo mestre Richard para um campeonato mundial de Savate. A equipe obtém o sétimo lugar na classificação geral, ficando à frente de grandes potências no esporte como Rússia, EUA, Canadá dentre outros. Atualmente, o mestre Richard encontra-se envolvido com a divulgação do Savate nas diversas áreas de abrangência desse esporte (Savate de rua, Savate combate e Savate estilo) e introduzindo essa arte ao mundo do MMA.
 


Continue Lendo...

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Terminologia e sentido do nome Kickboxing

 Terminologia e sentido do nome Kickboxing

Terminologia

 

O termo "kickboxing" pode ser utilizado em um sentido amplo e em um sentido restrito.

 

Sentido restrito

 

O sentido restrito se limita aos estilos que se auto-identificam como kickboxing, ou seja, o kickboxing japonês e o kickboxing americano, e estilos ou regras spin-off como o shoot boxing e o K-1.

 

Sentido amplo

 

O sentido mais amplo inclui todos os esportes e variações de combate em pé que permitem socos e chutes, incluindo o savate, muay thai, boxe indiano, boxe birmanês, sanshou, formas de karate full-contact, entre outros.
O termo kickboxing (キックボクシング) em si foi introduzido na década de 1960 como um anglicismo japonês por Osamu Noguchi, um promotor de boxe do Japão, para uma arte marcial híbrida que combina muay thai e caratê que ele tinha introduzido em 1958. O termo foi posteriormente adotado também pela variante americana. Como houve muitos cruzamentos entre esses estilos, com muitos praticantes ou competidores sob as regras de um ou mais estilos, as histórias dos estilos individuais não podem ser vistas de forma isolada uma da outra.
O termo francês boxe pieds-poings (lit. boxe pés-punhos) é também usado no sentido de "kickboxing" no sentido geral, incluindo o boxe francês (savate), bem como os kickboxing americano e japonês, birmanês e boxe tailandês, karatê de contato total, entre outros.

Artes marciais rotuladas como kickboxing em sentido amplo incluem:
  • A família de kickboxing indochinês desportivo, incluindo:
    • Camboja Pradal serey - Possível antecessor do muay thai, com ênfase em técnicas do cotovelo (ring-wise).
    • Tailândia Muay boran (lit. boxe antigo) - Predecessor do muay thai, permite o uso de cabeçadas.
    • Tailândia Boxe tailandês ou muay thai - A arte marcial tailandesa moderna, com forte ênfase em joelhadas e cotoveladas.1
    • Bangladesh Lethwei - Uma arte marcial tradicional da Birmânia, que tem crescido em um evento popular kickboxing com forte ênfase no joelho, cotoveladas e cabeçada. Qualquer parte do corpo pode ser usada para golpear e ser golpeada. Também é conhecida como kickboxing bando.
    • Laos Muay lao - o kickboxing do Laos, que é semelhante ao muay thai.
    • Filipinas Yaw-yan - Sayaw ng kamatayan (lit. dança da morte) é o nome apropriado para yaw-yan, uma arte marcial desenvolvida pelo filipino Napoleon Fernandez. A arte se assemelha ao muay thai em um sentido, mas difere no movimento de torção do quadril, bem como o corte para baixo de seus chutes.
  • Índia Adithada - Uma forma de kickboxing kalaripayattu do sul que utiliza golpes de cotovelo, joelho e de testa.
  • França Savate ou boxe francês - Um esporte histórico que se desenvolveu no século 19.
  • Competições modernas de artes marciais híbridas que se desenvolveram em paralelo com os estilos de kickboxing japoneses e americanos:
    • Japão Karate full-contact - Um formato de competição de caratê.
    • República Popular da China Sanshou, sanda ou boxe chinês - O componente do wushu / kung fu onde quedas e arremessos são legais em competições, bem como todos os outros tipos de golpes (uso dos braços e pernas).
    • Coreia do Sul Taekwondo - A forma coreana de kickboxing desenvolvido a partir da década de 1950, conhecida por sua ênfase em chutes ao invés de socos.
    • Japão Shoot boxing - Uma forma japonesa de kickboxing, que permite arremessos e submissões em pé, semelhante ao sanshou.
     
Continue Lendo...

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Técnicas de Kickboxing

Técnicas de Kickboxing

Boxe/Boxing (golpes de punho)

 

Golpes básicos

  • Kizami Zuki (Jab) - Soco em linha aplicado com a mão que está à frente da base (geralmente a mão esquerda).
  • Gyaku Zuki (Straight) - Direto - Soco em linha aplicado com a mão que está à atrás da base (geralmente a mão direita).
  • Mawashi Zuki (Cross) Cruzado - Soco em gancho aplicado com ambas as mãos na altura do rosto (têmpora e queixo).
  • Shita Zuki (Hook) - Gancho baixo - Soco com o antebraço supinado aplicado na altura abdominal do corpo (fígado, baço e estomago).
  • Ura Zuki (Uppercut) - Gancho clássico - Soco em gancho aplicado com ambas as mãos em forma ascendente em direção do queixo.
  • Kagi Zuki Jodan (Swing) - Suíngue/Voador - Soco em gancho aplicado com ambas as mãos por cima da guarda em direção da cabeça.
  • Ushiro Uraken Uchi (Spinning backfist) - Soco giratório - Soco aplicado com as "costas das mãos" em direção do rosto.

 

Chutes/Kick (golpes de pernas)

 

Golpes básicos

  • Mae geri (chute frontal) - Aplicado geralmente na altura do tronco para manter a distância do adversário.
  • Yoko geri (chute lateral) - Aplicado geralmente na altura do tronco para manter a distancia do adversário.
  • Mawashi geri (chute circular) - Principal chute e o mais poderoso, aplicado com a parte frontal da tíbia/canela nas versões:(chute baixo (gedan), chute médio (chudan) ou chute alto (jodan)).
  • Ushiro geri (chute para trás/coice) - Aplicado geralmente na altura do tronco.

Golpes intermediários

  • Kakato geri- Chute frontal de trajetória descendente (de cima para baixo) no qual o calcanhar atinge fortemente o alvo, a versão mais poderosa desse golpe, o chute alto (jodan kakato geri), é amplamente usada no kickboxing japonês.
  • Ushiro Yoko Geri (chute lateral circular de trás) - Chute no qual quem aplica, gira seu corpo no sentido das costas finalizando o golpe com um chute lateral.
  • Ushiro Mawashi Geri (chute circular de tráz) - Chute circular girado ao contrário, ou seja no sentido das costas.
  • Ura Mawashi Geri (chute circular) - Poderoso chute circular onde a parte posterior da canela/calcanhar atinge o alvo.
  • Otoshi Geri - Chute circular onde a a perna rotaciona e parte frontal do tornozelo (peito do pé) atinge o alvo numa trajetória descendente.

 

Joelhadas (golpes de joelhos)

 

Golpes básicos

  • Mae Hiza Geri (joelhada frontal) - Aplicado com a parte frontal do joelho.
  • Mae Hiza Tobi Geri(Flying Knee - Joelhada frontal voadora) - Aplicado com a parte frontal do joelho sem que o pé de apoio toque o chão no momento do golpe.
  • Mawashi Hiza Geri (joelhada circular) - Aplicado com a parte lateral do joelho.

 

Cotoveladas (golpes de cotovelos)

 

Golpes básicos

  • Mae hiji uchi (cotovelada frontal) - Desferido de fora para dentro.
  • Age hiji uchi (cotovelada ascendente) - Desferido de baixo para cima.
  • Otoshi hiji uchi (cotovelada descendente) - Desferido de cima para baixo.
  • Ushiro hiji uchi (cotovelada giratória) - Aplicado com giro.

 

Bloqueios

 

Defesas básicas

  • Kame uke - Contra soco e cotoveladas.
  • Juji uke - Contra joelhadas.
  • Sune uke - Contra chutes.
 
Continue Lendo...

sábado, 17 de agosto de 2013

Por que as mulheres preferem o muay thai?



Por Alexandre Matos

É bastante comum pessoas acharem que luta é coisa de homem, que mulher não curte. Talvez no passado tenha sido assim. Nos dias de hoje, esta afirmação é falsa. As mulheres cada vez mais se interessam por artes marciais. E elas não se contentam apenas em assistir, querem também praticar.
As academias pelo Brasil têm recebido um contingente cada vez maior de mulheres matriculando-se em aulas de algum tipo de luta. E o que elas mais procuram é o muay thai. A demanda é tanta que várias academias reservam horários semanais exclusivamente para o muay thai feminino, a fim de dar conta da procura.

E qual seria o motivo que faz com que o muay thai seja o favorito delas? Na verdade não há um motivo, mas sim vários, desde o bem estar físico e mental até a filosofia de respeito à arte marcial e seus praticantes. O Discovery Esportes conversou com cinco mulheres que praticam muay thai e perguntou porque elas escolheram esta arte tailandesa em detrimento do boxe, jiu-jítsu, judô ou outra luta qualquer.
Wanda Grandi, repórter e apresentadora do canal Combate, é uma pessoa agitada. Amante de esportes de aventura como escalada e wakeboard, ela procurava uma coisa bem dinâmica. “Queria socar para extravasar, mas queria algo mais movimentado do que isso. De cara escolhi o muay thai por usar também chutes, joelhadas, nem tentei o boxe primeiro”, diz.

O lado técnico não foi o único determinante na escolha. A questão é que, para alguém com a natureza aventureira como Wanda, “apenas” chutar e socar não era suficiente: “As aulas na academia onde eu treinava ainda tinham exercícios com corda – e eu adoro pular corda. Encontrei no muay thai um esporte dinâmico e desestressante ao mesmo tempo”, completa a apresentadora.

Os ótimos resultados produzidos pelo muay thai no corpo fizeram a cabeça da fisioterapeuta Fernanda Aymoré: “Escolhi o muay thai porque trabalha quase todos os músculos do corpo, porque trabalha tanto membros inferiores quanto superiores”.

Além de delinear e definir a musculatura, o muay thai também é uma ótima ferramenta para quem quer trabalhar o lado do condicionamento físico. “A parte aeróbica do muay thai é muito boa, você se condiciona bem e gasta bastantes calorias”, diz Fernanda. Ela podia ter optado por outro tipo de luta como o jiu-jítsu, muito famoso no Brasil, que também exige bastante do condicionamento físico. Ainda assim o muay thai tem vantagens, segundo Fernanda: “Luta de chão não me apetece por conta da estética mesmo. Tem grandes chances de estourar a orelha, o cabelo quebra muito. Eu teria que amar muito pra fazer”.

Mas, tirando toda esta parte física, há outro aspecto que atrai o interesse pela prática do muay thai. No caso de Fernanda (e de diversas outras pessoas), o que realmente a fez optar por esta arte marcial foi o lado da terapia do esporte: “Eu gosto mesmo é de poder socar e chutar depois de um dia estressante. Foi isso que me levou a fazer muay thai”.

A bióloga Luciana Cogliatti começou por acaso no muay thai. “Há um ano, estava saindo de uma aula de ginástica com um gostinho de quero mais, com energia sobrando”, disse. “Vi na sala ao lado uma aula de muay thai com apenas duas alunas. Era uma aula nova na academia, por isso a sala estava vazia. Perguntei se podia fazer a aula… e aí me apaixonei!”

O forte trabalho físico proporcionado pelo muay thai conquistou Luciana. “É uma aula completa: aquecimento aeróbico puxado com corrida, pulando corda, alongamento, uma parte extensa de abdominal e, para terminar, um treino que trabalha bastante braços e pernas, com socos e chutes. Já fiz uma aula de jiu-jítsu e não curti tanto, não gostei desse negócio de agarrar e rolar no chão com uma pessoa desconhecida e suada. No muay thai a gente solta o corpo e desestressa. Saio muito tranquila da aula, com uma sensação de cansaço gostosa”.

Como ela já havia praticado capoeira, a adaptação ao muay thai foi facilitada. “Já tinha alguma noção de golpes de perna. Mas, para quem não consegue ficar plantando bananeira por muito tempo, o muay thai é melhor por dar mais ênfase aos braços”. O lado da segurança ainda é reforçado por Luciana: “Ficamos safas na defesa pessoal”.

Outra motivação que ela viu na prática do muay thai foi a rápida evolução no sistema de graduação. “Já fiz o exame de mudança de graduação e avancei dois níveis, passei do kruang branco para o vermelho! Não sei se isso quer dizer muita coisa, mas fiquei muito feliz”.

A vontade de perder peso levou a jornalista Fernanda Prates às aulas de muay thai. A prática, no entanto, a fez “pegar gosto” pela luta, e, ao começar a curtir muito assistir a lutas de MMA, ela partiu para outras modalidades. Mas nenhuma delas teve o mesmo impacto. “Embora tenha feito pouquíssimas aulas de boxe, fiz mais de um ano de jiu-jítsu três vezes por semana, chegando a pegar a faixa azul. Mas, embora tivesse vontade de evoluir no jiu-jítsu e continuasse treinando, nunca achei que aquilo fosse ‘para mim’”.

Segundo Fernanda, a arte marcial tailandesa se encaixou melhor com sua personalidade e os treinos a tranquilizam. “Enquanto o muay thai me relaxava, o jiu-jítsu me deixava tensa. Jiu-jítsu é um esporte inteligente, cerebral e belíssimo, mas exige um tipo de personalidade muito específico, certa paciência e uma disciplina que eu nunca tive. Já o muay thai, além de um exercício incrível, sempre me ajudou a relaxar”.
Por este motivo, quando a rotina apertou, ela não teve dúvida ao escolher a prática que daria sequência. “Após um dia longo de trabalho, é o muay thai que me ajuda a limpar a minha mente. Em vez de quebrar a cabeça para montar posições – o que vem naturalmente para muita gente, mas não para mim -, eu posso simplesmente me soltar, ignorar minhas preocupações e suar”.

No fim das contas, foi uma questão de compatibilidade. “Embora eu admire muito o jiu-jitsu, não acredito que seja compatível com a minha personalidade; já o muay thai, nos mais de três anos que venho praticando, só me deixa cada vez mais motivada”, completa Fernanda.

O intenso trabalho físico do muay thai também é o foco principal da relações públicas Lilian Caparroz: “Eu considero uma ótima atividade física, me dá resistência e me ajuda a manter o peso. Gosto muito pela agilidade dos golpes, as possibilidades de combinar socos, chutes, joelhadas e cotoveladas, a intensa movimentação e porque trabalha o corpo todo!”

A endorfina despejada na corrente sanguínea após as aulas também motiva Lilian. Segundo ela, “a sensação depois das aulas é das melhores, de dever cumprido. O corpo responde bem, você consegue sentir melhoras no dia a dia também nos reflexos, no equilíbrio, coordenação motora. É recompensador se olhar no espelho e ver que os golpes saem direitinho”.

Outro ponto muito importante citado pela publicitária, e que é muito comum nas academias de muay thai, é a função do mestre. “O Ivam é um mestre muito bom. Ele exige bastante concentração e participação dos alunos – não é porque não somos profissionais que não precisamos ser disciplinadas durante as aulas. Nosso mestre nos leva ao limite a cada aula e conquista nosso respeito e admiração naturalmente”.
 
 
Continue Lendo...

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Os Principais golpes de Muay Thai

Os Principais golpes de Muay Thai

Assim como as demais artes marciais, o muaythai possui técnicas de ataque e defesa. Porém, a “ciência dos oito membros” tem as suas peculiaridades.
Os chutes circulares são um dos pontos fortes da técnica de ataque do muaythai. Para aplicar tal golpe, o lutador precisa fazer um movimento rotatório com o corpo todo. Outra peculiaridade é o uso da canela, tanto para a defesa como para o ataque. O antebraço também é bastante utilizado na defesa.

 

O muaythai é uma luta de muito atrito com o oponente. Porém, os lutadores de muaythai possuem técnicas específicas que utilizam muito quando lutam contra oponentes de outras artes marciais. Nessa hora, os lutadores de muaythai procuram desferir golpes com o cotovelo e com o joelho, procurando tirar vantagem com o uso dessas técnicas. Em função dos movimentos giratórios, os lutadores de muaythai também fortalecem, e muito, os seus músculos abdominais.

Veja os Principais golpes do Muay Thai :

Cotoveladas

O cotovelo pode ser usado de diversas formas e em diversos ângulos, como na diagonal para cima ou para baixo, horizontal, ou ainda junto com outros movimentos como o “giro” ou o “vôo”. Golpes com o cotovelo geralmente acabam cortando a sobrancelha do oponente. O cotovelo também pode ser usado no uppercut, golpe aplicado de cima para baixo que tem o objetivo de ferir o queixo do adversário. Normalmente os golpes de cotovelo são utilizados quando a distância entre os lutadores é muito pequena. Os golpes de cotovelo podem ainda ser únicos, independente de outro movimento ou golpe, ou podem ser de continuação, acontecendo logo em seguida à primeira cotovelada.

Socos

Os socos do muaythai são parecidos com os socos do boxe. Os mais comuns são:

- jab: aplica-se com a mão que está mais à frente, buscando o queixo do adversário;

- direto: aplica-se com a mão de trás, também buscando o queixo do adversário;

- cruzado: golpe que procura cruzar a linha frontal da guarda do adversário;

- upper: soco aplicado de baixo para cima cujo objetivo também é acertar o queixo do adversário.

Joelhadas

O muaythai é a arte marcial que melhor aplica a joelhada. Veja as mais usadas:

- kao dode: o lutador pula para cima com um pé e dá o golpe certeiro com o joelho dessa mesma perna;

- kao loi: o lutador pula para o lado com um pé e dá o golpe certeiro com o joelho dessa mesma perna;

- kao tom: o lutador dá uma joelhada para cima em linha reta, acertando o adversário;

- kao noi: joelhada aplicada na coxa ou na barriga do adversário.

Chutes

No muaythai, os chutes podem ser aplicados com o pé ou com a canela, o que é mais comum. Existem três formas de chutar no muaythai:

- round kick: também conhecido como chute circular, pode ser aplicado na cabeça, coxa ou canela do adversário;

- front kick: o chute frontal, com também é conhecido, tem como função principal parar um ataque e preparar o lutador para um segundo golpe;

- spin back kick: o lutador dá um giro e acerta o adversário com o calcanhar.

Continue Lendo...

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Significado dos termos e expressões do Muay Thai

Significado e tradução dos termos do Muay Thai

Terminologia

 

Por meio de pesquisa e análise dos termos em contexto, com a finalidade de documentar e promover seu uso correto, tradutores profissionais dedicaram-se ao estudo de termos utilizados na Tailândia alguns dos quais são frequentemente empregues no muay thai. A especificação de palavras simples e compostas que são comummente usadas em contextos específicos são normalmente empregues em documentos e escolas dirigidas ao muay thai. As demais designações abaixo expostas são exemplos de palavras úteis a este desporto de combate. Os seguintes termos limitam-se apenas à língua tailandesa.
  • Aenken - Tronozelo
  • Andap - Classificação
  • Baak - Boca
  • Bat - Desviar
  • Chaikrong - Costela flutuante
  • Chiang Mai - Cidade do norte da Tailândia
  • Choraked Faad Haang - Pontapé circular
  • Dadsin - decisões de juiz
  • Daihuachai - Zona abaixo do coração, ponto vulnerável
  • Dermpan - Apostar
  • Faad - Varrimento (golpe)
  • Faidaeng - Canto vermelho
  • Fainamnem - Árbitro
  • Gamagan - Juiz
  • Gaandadsin - Calção de muay thai
  • Gangkeng Muay - Conquilha (proteção para virilha)
  • Grajab - Extremidade superior da cabeça
  • Grammonsrisa - Saco de boxe
  • Grasawb - Cabeça
  • Hua - Coração
  • Hook - Gancho
  • Jad - Organizar/promover
  • Jamook - Nariz
  • Kaa - Perna
  • Kai (Muay) - Campo (academia/escola)
  • Kao - Joelho
  • Kao Tone - Joelhada frontal
  • Khuen Kru - Cerimonial do novo estudante
  • Kruang Ruang - Amuleto do braço (bracelete)
  • Kru Muay - Mestre de muay thai
  • Kua - direto de direita
  • Lang Tao - Peito do pé
  • Lop - Esquiva
  • Look Kang - Queixo
  • Mat - Punho
  • Mongkon - Coroa sagrada
  • Muay thai - Boxe tailandês
  • Nakaeng - Tíbia
  • Ram muay - Dança de combate
  • Sai - direto de esquerda
  • Sok - Cotovelo
  • Tae - Pontapé
  • Tae Laa - Circular baixo (low kick)
  • Tae Lam Tua - Circular médio (ao tronco)
  • Tae Kaen Ko - Circular alto (à cabeça)
  • Ti Kao - Joelhada
  • Tiip - Pontapé frontal
  • Ti ok - Cotovelada
  • Uppercut - Uppercut (Punho baixo-acima)
  • Wai kru - Homenagem ao mestre
  • Yaed - Jab
  • Yaek - "Break", parar (ordem do árbitro)
  • Yok - round (ordem para intervalo)
  • Yud - Stop (ordem de final do combate) 

 
Continue Lendo...

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Muay Boran : A Arte Marcial que deu origem ao Muay Thai

O Muay Boran

Conheça esta antiga Arte Marcial, que  deu origem ao Muay Thai que conhecemos hoje em dia

Muay boran (em tailandês: มวยโบราณ, RTGS: muai boran, AFI[mūaj bōːrāːn], lit. boxe antigo), é um termo abrangente para as artes marciais desarmadas da Tailândia, antes da introdução de equipamentos modernos e regras. É o ancestral do moderno muay thai. A palavra muay que significa boxe vem do termo sânscrito mavya, enquanto boran ou boraan significa antigo em tailandês. A arte é significativamente diferente do seu descendente moderno.
Considerando que o muay thai é muitas vezes chamado de "ciência das oito armas", o muay boran faz o uso de awut nawa (lit. nove armas: duas mãos, duas pernas, dois cotovelos, dois joelhos e a cabeça) para o ataque e a defesa.

Características 

O muay boran visa o termino rápido da luta, através de alejamentos, imobilizações, estrangulamentos e até mesmo a morte.
Assim como o judô é uma adaptação de estilos mais antigos de jiu-jitsu (não confundir com o jiu-jitsu brasileiro), o muay thai é o muay boran reformado. O muay boran possui elementos que não podem ser utilizados em um torneio, como alguns estrangulamentos, torções, golpes em pontos vitais, ataques ao centro, alguns golpes que causam ferimento grave ou até mesmo morte instantânea, entre muitos outros.
Porque lhe falta um aspecto desportivo, o muay boran é raramente ensinado e encontrar uma escola é difícil. Na verdade, era praticamente desconhecido no Ocidente até o lançamento do filme cult de artes marciais tailandês Ong Bak de Tony Jaa. Atualmente é procurado por várias pessoas, e até mesmo por mestres de artes marciais, com o desejo de aprimorarem sua técnica e torná-la mais mortal.

Técnicas 

As técnicas usadas no muay boran focam a eficiência e maximizam a quantidade de dano de cada golpe. O objetivo é neutralizar o inimigo o mais rapidamente possível, porque outro pode estar por perto pronto para atacar. Além de mãos e pernas, cotovelos e joelhos são também utilizados para desferir golpes devastadores que podem rapidamente incapacitar ou até matar seu oponente.
A postura de luta básica do muay boran é muito mais baixa e mais larga que o muay thai, bem como as artes marciais indianas e tradicionais chinesas. Neste, os combatentes são obrigados a ter maior agilidade, flexibilidade e velocidade, e é permitido pular no joelho de seu adversário para desferir um golpe na cabeça. A procedência dos chutes é provavelmente indiana vinda do mushti yuddha e das artes marciais do sul da China. O muay boran tem sido influenciado pelas artes marciais dos países vizinhos e vice-versa, como pode ser visto na técnica kamae kham sao, que foi emprestada do Camboja.
Ao longo dos muitos séculos em que o muay boran desenvolveu-se, vários estilos regionais surgiram:
  • Muay thasao (região norte da Tailândia) - Ênfase na velocidade, especialmente pontapés rápidos. Esta variação de muay boran foi apelidada de "ling lom" (lit. macaco ventoso).
  • Muay korat (região leste da Tailândia) - Ênfase na força. Uma técnica exclusiva neste estilo é o "soco de derrubar búfalos", chamado assim porque supõe-se que um golpe é suficiente para derrubar um búfalo.
  • Muay lopburi (região central da Tailândia) - Ênfase na astúcia, movimentos técnicos. Esta variação favorece fortes socos e ganchos.
  • Muay chaiya (região sul da Tailândia) - Tem ênfase na boa postura e defesa. Este estilo favorece ataques com os cotovelos e joelhos.
Uma vez que cada estilo tem a sua própria força, dizia-se que um lutador completo tinha: "Soco korat, inteligência lopburi, postura chaiya, velocidade thasao".

Regras

As velhas regras de Muay Boran consistiam simplesmente na proibição de bater na virilha, arrancar os olhos, bater no oponente caído e puxar os cabelos. Categorias por peso não existiam e não existia ringues construído especialmente para os torneios. Em vez disso, as lutas tinham lugar em qualquer espaço aberto cercado por um círculo de espectadores. Os rounds eram cronometrados com um pequeno furo feito em um coco que era colocado na água. Quando o coco afundasse, um tambor era utilizado para sinalizar o fim de um round.



Continue Lendo...

terça-feira, 13 de agosto de 2013

O significado do termo Muay Thai

Você sabe o qual o significado do termo "Muay Thai"?

A palavra muay, que se refere a "combate", "luta" ou "boxe", deriva do sânscrito Mavya que significa "unir". A palavra thai é contudo um adjectivo de origem nacional, cujo seu significado é "[pessoa] livre" (semelhante à significação do termo "francos").

O termo "muay thai" é então traduzido como "boxe tailandês" ou "luta tailandesa". Em português e inglês, o termo é frequentemente traduzido como "boxe tailandês". Tanto o termo "muay thai" como o "boxe tailandês" possuem a mesma acepção sendo portanto sinónimos, referindo-se à mesma disciplina.

Um praticante de muay thai é conhecido por nak muay. Os praticantes ocidentais são por vezes chamados de nak muay farang que significa "lutador estrangeiro".
Continue Lendo...

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

A importância da técnica do controle da respiração no Muay Thai

A importância da técnica do controle da respiração no Muay Thai 


Respiração

 

A respiração é um processo natural que se encontra descrito em ventilação pulmonar. É comum que na vida quotidiana não seja outorgada significante importância à respiração, pois é um reflexo natural que envolve processos neuro-muscular-torácico-pulmonar e físicos os quais são processados instintivamente. No entanto, quando submetidos a elevado esforço físico, o atleta vê-se confrontado com alguns obstáculos que dificultam gravemente a espontaneidade de todo esse processo. A necessidade de manter os dentes cerrados para evitar o nocaute, assim com a presença do protetor bucal, origina dificuldades acrescidas ao lutador.

Para além do aperfeiçoamento das técnicas de muay thai, o treino foca-se também na aprendizagem gradual de controlar o sistema respiratório, alcançando resultados úteis que se vão reflectir principalmente na resistência física do atleta.

Na prática do muay thai, a respiração é controlada através de métodos específicos pelos quais o lutador deve-se utilizar na execução da técnica de combate. Exalar fortemente o ar pelo nariz é comum entre os praticantes tanto de muay thai como de outras artes marciais, pois ajuda a libertar o dióxido de carbono dos pulmões.A respiração é uma importante ferramenta para os atletas amadores ou profissionais. Nas artes marciais japonesas, considera-se que o Kiai (espécie de vocalização utilizada geralmente aquando golpes traumáticos), aumenta a potência do indivíduo na execução de um golpe ou técnica.Entre as artes marciais coreanas, similarmente, é utilizado o Kihap. Quando utilizado correctamente, o kiai conecta os elementos físicos e mentais de uma técnica, e serve tanto para ações defensivas como ofensivas. O significado do próprio termo denota um conceito de um sistema unificado ou integrado em que o "ki" corresponde à "mente" ou "energia interior" e "ai" significa "unir". Ou seja, a energia flui pelos processos metabólicos e fisiológicos da respiração, daí a sua essência e também a sua naturalidade. Os grandes mestres afirmam que o kiai é um aspecto do controlo da respiração, é a extensão audível do nível de energia aplicado numa determinada técnica.

No muay thai, os atletas recorrem à expiração enquanto desferem um golpe. Este processo da respiração promove a saída do ar dos pulmões, somada à contração muscular abdominal e do diafragma. Assim, defensivamente, a expiração previne o nocaute uma vez que a contração muscular protege os órgãos internos do golpe adversário. Enquanto ataque ofensivo, a expiração, para além de utilizada como forma de distrair o oponente, fortalece a cadeia cinética uma vez contraída a região central do corpo, promovendo o aumento da potência do golpe.

Para o controlo da respiração, existem vários exercícios de treino, tanto estáticos como dinâmicos. Os exercícios estáticos consistem em estabelecer determinadas posições hirtas, comuns em diferentes tipos de meditação, ou até mesmo desenvolver processos de combate estáticos sob pressões físicas adversas. Os exercícios de respiração dinâmicos são praticados durante a formação do atleta, no decorrer dos variados treinos físicos de combate e força. Existe também exercícios emparelhados como é exemplo o sparring. Estes tipos de treinos são bastante eficazes para o atleta, o qual adquire a capacidade de respirar ritmicamente, mesmo sob algumas pressões externas. Conseguir respirar naturalmente quando submetido a situações adversas de combate é um procedimento que requer experiência.
 
Continue Lendo...