terça-feira, 30 de abril de 2013

Thai Chi Chuan : Arte marcial, esporte ou prática para a saúde?

O tai chi chuan é praticado atualmente em escala mundial.

O tai chi chuan já foi concebido e se desenvolveu na antiguidade como uma forma avançada e eficaz de combate: a função de guarda costas foi exercida por diversos praticantes da família Chen; instrutores da família Yang deram aulas para a guarda imperial e posteriormente para o exército republicano chinês.
Sua aplicação como arte marcial acontece através do uso de movimentos circulares e contínuos que acompanham e complementam os movimentos do adversário de um modo similar ao ilustrado pelo símbolo do tai chi.
Ao definir o wushu (o termo chinês para arte marcial), Jet Li, famoso artista marcial e ator, comenta que: "Com o advento da tecnologia você tem armas, canhões, bombas nucleares e outras armas avançadas. Aprender wushu não serve mais ao objetivo de lutar corpo a corpo contra tigres, invasores etc.. Hoje, se você mata ou aleija alguém com um movimento impressionante de wushu aprendido com dez anos de um programa intensivo de treinamento, isso não vai te ajudar a sobreviver. A polícia vai te prender por assassinato, a sociedade vai te rejeitar, e a coisa toda teria sido feita muito mais rapidamente puxando o gatilho de uma pistola com um silenciador. Agora, a sociedade valoriza a prática e exibição do wushu de formas diferentes". Ele conclui dizendo que, na sua opinião, a melhor razão de todas para realizar estas práticas: "é que ele permite que a pessoa exercite o seu corpo e melhore a sua saúde".
(nota: a origem destas citações é o Artigo DEFINIÇÃO DE WUSHU por Jet Li (disponível em inglês em www.jetli.com), conforme a tradução disponível no Portal do Kung Fu - link abaixo, entre as páginas externas)
O próprio símbolo do yin-yang, conhecido também como diagrama do tai chi, é a melhor metáfora para refletir sobre quaisquer posturas que se apresentem como polos opostos em uma discussão.
Este símbolo mostra a interação dos opostos e como um interage, define e amplia o significado do outro. A prática do tai chi chuan focada na questão marcial e a prática focada na questão da saúde podem ser vistas como estes polos extremos, para que o treinamento seja efetivo é necessária a presença destes dois aspectos.
A adequação da proporção entre estes dois aspectos dentro do trabalho realizado por um instrutor com um grupo específico depende da formação do instrutor segundo uma escola que enfatize mais um ou outro aspecto, da visão pessoal do instrutor sobre a prática e das necessidades específicas do grupo de alunos com que trabalha (um grupo de adolescentes e um grupo de terceira idade naturalmente necessitam de propostas distintas).
Sabendo isto, é importante que o interessado em praticar tai chi chuan converse com os responsáveis pela orientação de seu grupo para descobrir como são abordados os diferentes aspectos pertinentes a esta prática, como: a auto defesa; o treinamento para a saúde; o equilíbrio dos aspectos fisícos, emocionais, mentais e espirituais verificando se estas posturas correspondem às suas expectativas em relação à prática.
Continue Lendo...

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Os dez princípios essenciais do Tai Chi Chuan

Conforme Yang Chengfu:
  1. Suspender a cabeça pelo topo com leveza e sensibilidade (xu ling ding jin)
  2. Esvaziar o peito (han xiong) e alongar as costas (ba bei)
  3. Relaxar a cintura (song yao)
  4. Distinguir entre o cheio e o vazio (fen xu shi)
  5. Relaxar os ombros [Chen Jian] e soltar os cotovelos (zhui zhou)
  6. Usar a mente e não a força muscular (yong yi bu yong li)
  7. Interligar os movimentos da parte superior e inferior do corpo (shang xia xiang sui)
  8. Unir o interior e o exterior (nei wai xiang he)
  9. Mover-se com continuidade, sem rupturas (xiang lian bu duan)
  10. Buscar a quietude dentro do movimento (dong zhong qiu jing)
Continue Lendo...

As treze posturas fundamentais do Tai Chi Chuan

Enquanto arte marcial, o tai chi chuan se baseia em treze conceitos fundamentais (shi san shi 十三). Estas posturas/movimentos podem ser reconhecidos nas diversas formas praticadas pelos diferentes estilos. Cada escola interpreta estes conceitos com pequenas variações.
São conhecidas como as oito portas e os cinco passos (八門 ), em chinês são denominadas: Peng, Lu, Ji, An, Cai, Lie, Zhou, Cao, Jin, Tui, Gu, Pan e Ding.
As oito portas (bā mén) se associam às oito direções representadas pelos oito trigramas do pa kua (py bā guà 八卦), elementos básicos na constituição do I Ching (py Yijing 经 ).
·        Os quatro lados (si zheng 四正)
Péng (aparar)
(desviar)
(pressionar)
Àn (empurrar)
·        Os quatro cantos (si yu 四隅)
Cǎi (colher e puxar)
Liè 挒 (colher e quebrar)
Zhǒu (golpe de cotovelo)
Kào (golpe de ombro)
Os cinco passos (Wǔ bù) podem ser relacionados aos Cinco Elementos cósmicos (五行 py wǔ xíng) que fundamentam a medicina tradicional chinesa: madeira, fogo, terra, metal e água (, , , , ).
Jìn bù (avançar)
Tùi bù 退 (recuar)
Zǔo gù 左顧 (olhar à esquerda)
Yòu pàn (olhar à direita)
Zhōng dìng 中定 (equilíbrio central)
Continue Lendo...

Estilos de Tai Chi Chuan

São cinco os estilos de tai chi chuan reconhecidos como tradicionais pela comunidade internacional, cada um deles recebeu o nome da família chinesa que o criou, desenvolveu e transmitiu. Todos tem a mesma essência e seguem os mesmos princípios básicos, diferindo na forma.
Por ordem cronológica:

·        Tai chi chuan estilo Chen (陳氏)
·        Tai chi chuan estilo Thssen (陳氏)
·        Tai chi chuan estilo Yang (楊氏)
·        Tai chi chuan estilo Wu/Hao (武氏)
·        Tai chi chuan estilo Wu (吳氏)
·        Tai chi chuan estilo Sun (孫氏)

Ordenados por sua popularidade, considerando o número de praticantes, teríamos: Yang, Wu, Chen, Sun e Wu/Hao.
Atualmente encontramos referências a diversos outros estilos. Alguns deles são estilos hibridos ou derivados destes cinco estilos tradicionais.
Outros alegam ter sido praticados em segredo dentro de outras famílias ou em monastérios a partir das referências milenares taoístas que deram origem a esta prática, tornando-se de conhecimento aberto ao público há menos tempo.
Entre estes exemplos se inclui o estilo Wudang, referência ampla à prática de tai chi chuan realizada ainda hoje nos templos da montanha de Wudang (não confundir com o estilo contemporâneo que tomou para si o nome de Tai chi chuan de Wudang).
Há também o que poderíamos chamar de Tai chi chuan estilo de Pequim, composto por formas (tao lu) padronizadas pelo Governo Chinês, através do Comitê Nacional de Esportes da China, desenvolvidas exclusivamente para fins terapêuticos e esportivos. Hoje em dia muito popular não apenas na China mas em todo o mundo.

Continue Lendo...

O Tai Chi Chuan

Tai chi chuan (em chinês: 太極拳 pinyin: Tàijí quán) é uma arte marcial interna chinesa, categoria nomeada em chinês de neijia (內家).
Este estilo de arte marcial é reconhecido também como uma forma de meditação em movimento.
Os princípios filosóficos do tai chi chuan remetem ao taoísmo e à alquimia chinesa.
A relação de yin e yang, os cinco elementos, o ba gua (Oito Trigramas), o Livro das Mutações (I Ching) e o Tao Te Ching de Lao Zi são algumas das principais referências para a compreensão de seus fundamentos.
Os textos clássicos do Tai Chi Chuan escritos pelos mestres orientam a:

·        Vencer o movimento através da quietude (Yi Jing Zhi Dong) 以靜制動
·        Vencer a dureza através da suavidade (Yi Rou Ke Gang) 以柔克剛
·        Vencer o rápido através do lento (Yi Man Sheng Kuai) 以慢勝快

O tai chi chuan tem suas raízes na China, sendo atualmente uma arte praticada no mundo todo. É apreciado no ocidente especialmente por sua relação com a meditação (tao yin) e com a promoção da saúde, oferecendo aos que vivem no ritmo veloz das grandes cidades uma referência de tranquilidade e equilíbrio.
Os criadores do tai chi chuan basearam sua arte na observação da natureza - não apenas na observação dos animais, mas no estudo dos princípios da interação entre os diversos elementos naturais.
Como somos parte desta natureza, o conhecimento destes princípios e de como atuam dentro de nós, estudados pela medicina tradicional chinesa, revelam o tai chi como uma fonte efetiva de energia que encontra-se em nosso interior, situada na região do corpo nomeada pelos chineses de dantian médio.

 

Etimologia

 

Os ideogramas que compõe a palavra tai chi chuan significam:
  • , Tai significa "o maior", "o mais alto", "supremo", "absoluto".
  • (ou , em chinês simplificado), Chi (ou Ji) significa, original e literalmente, a parte mais alta do telhado - "cumeeira".
  • , Chuan (ou Quan) significa Punho, aqui simbolizando "soco", "luta à mãos livres" (desarmadas), "boxe"
Portanto, algumas das possíveis traduções literais de tai chi chuan são: "Punho da suprema cumeeira", "punho do limite supremo" ou simplesmente "punho do tai chi".
Como cada ideograma pode ter mais de um sentido, há outras formas de traduzir o termo além destas.
No taoísmo, onde o tai chi chuan teve sua origem, a "suprema cumeeira", ou "limite absoluto" tem a conotação filosófica de "elevação", "sublimação", "purificação", resultante, entre outras, do desenvolvimento de um mecanismo de defesa emocional pelo qual tendências ou sentimentos inferiores se transformam em outros que não o sejam.
O tai chi também simboliza o "Cosmo" e a interação, dos princípios energéticos yin e yang, em constante mutação, sendo conhecida a sua representação pelo tai chi tu (diagrama do tai chi), mais conhecido no Ocidente como o "símbolo do yin-yang".


 

Origem

 

A história do tai chi chuan é considerada sempre sob dois aspectos: o lendário e o historicamente comprovado. Esses dois aspectos não se excluem necessariamente para a maioria dos professores propagadores dessa arte.
O aspecto lendário é, geralmente, encarado como uma metáfora para indicar o desenvolvimento dos princípios do tai chi chuan através da figura do taoista imortal Chang San Feng.
Historicamente comprovado, o criador do tai chi chuan foi Chen Wangting.
Existem indicações de que, durante a Dinastia Tang (618-906 d.C.), um eremita chamado Xu Xuan Ping desenvolveu uma arte chamada "os trinta e sete estilos do tai chi", também chamada de chang chuan (punho longo) ou chang kiang (rio longo).
Por volta da mesma época, um monge taoista chamado Li Dao Zi praticava uma arte denominada "punho longo primordial", semelhante aos trinta e sete estilos do tai chi.
Muitas das posturas dessas duas artes têm nomes semelhantes aos das atuais posturas do tai chi chuan.
O texto Guan Jing Wu Hui Fa (Método para se Alcançar o Esclarecimento Através da Observação da Escritura), escrito por Cheng Ling Xi na época da Dinastia Liang (907-923 d.C.), no período das cinco dinastias e dos dez reinos, é o documento mais antigo já encontrado a usar o termo tai chi chuan. Cheng Ling Xi foi discípulo de Han Gong Yue, que lhe ensinou sua arte, chamada "Os catorze estilos do treinamento do tai chi".
Chang San Feng (1247-?), que então vivia num templo taoista do monte Wudang, já teria desenvolvido uma arte conhecida como "Os trinta e dois estilos do punho longo de Wudang" e, posteriormente, criou "As treze posturas do tai chi", após observar uma luta entre um pássaro (grou) e uma cobra, quando constatou que a flexibilidade se sobrepunha à rigidez, compreendendo a prática da alternância entre o yin e o yang e outras concepções da natureza, que se constituem na base do que depois passou a ser chamado de tai chi chuan.
O sucessor de Chang Sangfeng foi o também monge taoista Taiyi Zhenren que, no final da dinastia Ming, difundiu a arte entre os discípulos do monte Wudang. Entre esses discípulos, encontrava-se outro monge de nome Ma Yun Cheng.
Ma Yun Cheng transmitiu a arte para vários discípulos célebres, entre eles Mi Deng Xia e Guo Ji Yuan, popularmente conhecidos como "os dois santos" e Wang Zhong Yue, que denominou essa arte de Wudang tai chi chuan e escreveu o Tratado de Tai Chi Chuan, um dos Clássicos do Tai Chi Chuan.
Wang Zhong Yue transmitiu o tai chi chuan ao famoso mestre Zhang Song Xi, que depois o ensinou a Dan Si Nan, que veio a ter como discípulo Wang Zheng Nan, que se referia à arte de Wudang como uma arte interior, distinta das artes de Shaolin, que ele chamava de arte exterior.
Segundo os historiadores Tang Hao e Gui Liuxin, seguindo a origem a partir do fato histórico de que Yang Luchan aprendeu com Chen Changxing (1771-1853) do vilarejo de Chenjiagou, o tai chi chuan foi criado por Chen Wangting (1600-1680) na passagem da dinastia Ming para a dinastia Qing. Esta é a versão considerada oficial pelo governo chinês .
Continue Lendo...

sábado, 27 de abril de 2013

Organizações governamentais que utilizam o Krav Magá

Além de diversos civis ao redor do mundo, várias organizações governamentais utilizam o Krav Magá, dentre elas:
  • Academia da Força Aérea (Portugal);
  • Comando de Operações Táticas (COT), no Brasil;
  • Federal Bureau of Investigation (FBI), nos Estados Unidos;
  • Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos;
  • Central Intelligence Agency (CIA), nos Estados Unidos;
  • Guarda Costeira dos Estados Unidos;
  • SWAT, nos Estados Unidos;
  • Groupe d'Intervention de la Gendarmerie Nationale (GIGN), França;
  • BOPE - Batalhão de Operações Especiais/Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, no Brasil;
  • Marinha do Brasil.
  • Força Especiais do Exército;
  • Operações Especiais dos Fuzileiros Navais;
  • Polícia do Senado Federal;
  • Guarda Municipal do Rio de Janeiro;
  • Escola de Material Bélico;
  • IPD (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Exército);
  • 1º Batalhão de Polícia do Exército;
  • 3º Batalhão de Infantaria;
  • 12º BPM;
  • 9º Esquadrão de Cavalaria Montado
  • Dentre várias outras empresas privadas de todos os setores e empresas de segurança.

Continue Lendo...

Utilização do Krav Magá

Todos os soldados das Forças de Defesa da Israel, incluindo todas Unidades de Forças Especiais Israelenses, aprendem krav magá como parte de seu treinamento básico, embora a maioria dos alunos que não fazem parte das Forças Especiais gastem menos tempo treinando krav magá, até uma semana de treinamento, durante algumas horas por dia.Além do mais, o krav magá é o sistema tático defensivo usado para treinar a Polícia de Israel, a Inteligência de Israel e todas Divisões de Segurança.Krav Maga também é ensinado a civis, militares, agências de imposição da lei e agências de segurança ao redor do mundo. O exército sueco utiliza krav magá ligeiramente no treinamento de combate corpo-a-corpo para guerras urbanas. A Federação Internacional de krav magá em Netanya, fora de Israel treina alguns dos melhores guarda-costas do mundo, que utilizam krav magá como uma arte de combate comercial, já que ela inclui vários exercícios para evacuar pessoas importantes através de uma multidão hostil. Além disso, as táticas para executar vários oponentes rapidamente é vital para agentes de proteção pessoal.Em Portugal o Krav Maga integra de forma oficial o currículo de formação dos Oficiais da Força Aérea Portuguesa desde 2008, sob a responsabilidade técnica da Israeli Krav Maga Association, sendo também utilizado por diversas forças de segurança e unidades especiais não só da Polícia como das Forças Armadas.

Continue Lendo...

Imi Lichtenfeld : O criador do Krav Magá

 
Emrich "Imi" Lichtenfeld (Sde-or) (Budapeste, 26 de Maio de 1910 — Netânia, 9 de janeiro de 1998) é o criador do Krav Magá.
Criado na Bratislava, tornou-se campeão de luta greco-romana e boxe. Com o crescimento de grupos anti-semitas Imi criou um grupo junto com outros lutadores para se protegerem, vendo que as artes marciais que ele praticava não eram muito eficientes em uma luta real, Imi começou a desenvolver um sistema simples de técnicas para auto-defesa, batizando-o em agosto de 1970 de Krav Magá, agora com o intuito de estabelecer uma arte marcial especialmente orientada à defesa pessoal.
Em 1940 deixou Bratislava fugindo dos nazistas, chegando a Israel em 1942 onde fez parte de grupos de elite da Haganá e a Palmach para proteger seu povo. Depois da independência de Israel, Imi se alistou no Tzahal (forças de defesa de Israel) onde se tornou instrutor chefe de preparo físico e Krav Magá. Após sair do Tzahal em 1964 adaptou Krav Magá para ser usado por civis e forças policiais. Morreu em 1998, na cidade de Netânia em Israel.
Imi também treinou o atual mestre Kobi, que hoje repassa o Krav Maga na America latina.


Continue Lendo...

sexta-feira, 26 de abril de 2013

O sitema de graduação no Krav Magá

O sistema de graduação escolhido pelo fundador para o krav magá foi o de faixas coloridas criado por Jigoro Kano - criador do Judô.Atualmente, o krav magá possui diversos sistemas de graduação e variações.

 

Sistema de faixas coloridas Kawaishi, adotado por Imi Lichtenfeld e utilizado pela Israeli Krav Maga Association

 

Cor Nível
Judo white belt.svg Faixa branca
Judo yellow belt.svg Faixa amarela
Judo orange belt.svg Faixa laranja
Judo green belt.svg Faixa verde
Judo blue belt.svg Faixa azul
Judo brown belt.svg Faixa marrom
Judo black belt.svg Faixa Preta 1º ao 5º Dan
Judo red white belt.svg Faixa Vermelho-Branca 6º ao 9º Dan
Judo red belt.svg Faixa Vermelha 10º dan

 

Sistema da Federação Sul-Americana de Krav Magá (FSAKM), com o tempo de permanência mínimo

 

Cor Nível Tempo
Judo white belt.svg Faixa branca 6 meses
Judo yellow belt.svg Faixa amarela 12 meses
Judo orange belt.svg Faixa laranja 18 meses
Judo green belt.svg Faixa verde 18 meses
Judo blue belt.svg Faixa azul 24 meses
Judo brown belt.svg Faixa marrom 24 meses
Black belt 1st dan.svg Dan
Black belt 2nd dan.svg Dan
Black belt 3rd dan.svg Dan
Black belt 4th dan.svg Dan
Black belt 5th dan.svg Dan
Judo red white belt.svg 6º ao 9º Dan
Judo red belt.svg *10º Dan Caberia ao sucessor de Imi Lichtenfeld

 

Sistema da IKMF

 

Existe também o sistema de graduações utilizado pela IKMF-Portugal (representante da International Krav Maga Federation sediada em Israel e com o maior número de filiais pelo mundo inteiro). O responsável mundial pela IKMF é Eyal Yanilov, aluno directo e dos mais graduados de Imi Lichtenfeld, co-autor do único manual de Krav Maga publicado pelo fundador do sistema, Imi Lichtenfeld.
As graduações dividem-se por níveis:
  • P-1 a P-5;
  • G-1 a G-5;
  • Expert (equivale ao cinto negro) E-1 a E-5;
  • Master (3 níveis de master).
Continue Lendo...

O Krav Magá na ficção

Filmes

 

  • Na preparação para seu personagem T-X em Terminator 3: Rise of the Machines, a atriz Kristanna Loken treinou Krav Maga, de acordo com comentários incluídos na edição especial do DVD do filme.
  • A personagem Slim, interpretada por Jennifer Lopez no filme Enough (Nunca Mais) aprendeu krav magá.
  • O personagem de Viggo Mortensen Tom Stall/Joey Cusack no filme A History of Violence é um ex-mafioso irlandês, conhecido por seus golpes mortais e lutas com movimentos que contém elementos do krav magá.

 

Televisão

 

  • Paris Geller e Doyle McMaster, da série Gilmore Girls, frequentam aulas de krav magá.
  • Sydney Bristow ,da série de TV Alias, é uma praticante de krav magá.
  • Tony Almeida, personagem da série 24 Horas, é um instrutor diplomado de krav magá.
  • Ziva David, na série de TV NCIS, pratica o que se presume ser (haja vista ela ser uma oficial do Mossad) Krav Maga.
  • Krav Maga foi uma das formas de combate mostradas no programa Mestres do Combate do Discovery Channel
  • Na série Lei e Ordem, episódio "Public Service Homicide," um produtor de TV contrata um instrutor de Krav Maga para treinar uma vítima de estupro para que pudesse se defender quando enfrentasse seu estuprador em um vôo.
  • A personagem Cynthia, interpretada por Tania Raymonde, usa o Krav Maga contra Reese em Malcolm in the Middle, no pátio de sua escola. Mais tarde, no final do mesmo episódio, ela usa o Krav Maga em Malcolm, dentro da sua casa.
  • Megan Reeves, da série de TV Numb3rs, é uma instrutora de krav magá no Y.
  • Jimmy Smith e Doug Anderson aprendem Krav Maga em Fight Quest, no 9º episódio da 1ª temporada.
  • Krav Maga foi exibido no programa de TV Human Weapon, do History Channel.
  • O personagem Ted Mosby, na série de TV How I Met Your Mother, apanha de sua namorada quando ele termina o relacionamento, após a mesma ter tido várias aulas de Krav Maga; Ted estava receoso dela frequentar tais aulas, mas desconhecia o que era o Krav Maga até apanhar da namorada.
  • No programa de TV Archer, os agentes da ISIS são treinados em Krav Maga.
  • Lisa Simpson, do desenho da TV Os Simpsons, usa o krav magá contra seu irmão Bart, no episódio "The Greatest Story Ever D’ohed" da 21ª temporada. No mesmo episódio, Bart também apanha de uma jovem israelense praticante de krav magá.

 

Jogos

 

  • Sam Fisher, no jogo Splinter Cell, da franquia de jogos Tom Clancy, é um praticante de Krav Maga. Isso consta em todos os 3 livros Splinter Cell.
  • Iori Yagami, da franquia de jogos The King of Fighters

 

Quadrinhos

 

  • Kitty Pride (Lince Negra) da série X-Men pratica Krav Maga.
Continue Lendo...

Associações e escolas de Krav Magá

Há inúmeras organizações ao redor do mundo ensinando krav magá ou variantes. Desde a expansão de seu fundador, diferenças têm aparecido, com alegações concorrentes de descendência. Algumas organizações e indivíduos alegam ser a única descendência, enquanto outras argumentam que o krav magá é uma arte "aberta", que não deve ser propriedade de nenhuma pessoa ou grupo.
Apesar das tentativas sucessivas de registrar comercialmente o uso de krav magá, não há um instrutor ou organização oficial, embora seja do conhecimento comum que a primeira Organização de Krav Maga a ser criada foi a Israeli Krav Maga Association, fundada por Imi e por um conjunto dos seus melhores alunos em 78, sendo a mais antiga Organização de Krav Maga existente actualmente.A Escola Bukan de Krav Maga, com sede em Israel afirma que Yaron Lichtenstein recebeu de Imi Lichtenfeld, o diploma de 9º Dan e Grão-Mestre em Krav Maga, embasados por diversos documentos assinados pelo fundador.Estas e outras afirmações existentes no site de Yaron Lichtenstein , são controversas e postas em causa tendo em conta uma cerimónia gravada em videodatado de 1996. Imi ao graduar Haim como 8ºDan, afirma que essa era a mais alta graduação atribuída por si, afirmando também que Haim atingiria brevemente o 9º e o 10ºDan. Além disso na mesma data, Imi decide deixar um documento escrito e reconhecido em notário mencionando os seus alunos mais graduados acima de 6º Dan e nele não consta o nome de Yaron. Para além destes factos os diplomas da IKMA que Yaron apresenta, nunca foram assinados por Imi mas sim carimbados com a sua assinatura, nem nunca foram oficializados pela IKMA dado que Yaron não fazia parte da Organização nessa altura.
O atual Presidente da Israeli Krav Maga Association em Israel [www.kravmagaisraeli.com www.kravmagaisraeli.com] (em inglês e em hebraico) , Haim Gidon, afirma que em uma cerimônia da IKMA, em que lhe foi concedido o 8º Dan, Imi Lichtenfeld assegurou que o 9º e 10º seriam os próximos a virem. Desse modo, o presidente da IKMA passou a utilizar o 10º Dan e o título de Grão-Mestre, pois este seria o desenrolar natural dos fatos . Para oficializar esse procedimento foi realizada uma eleição, em assembleia geral da IKMA, em que Haim Gidon foi declarado Grande Mestre e atribuído o 10º Dan.
É importante registrar que muitas críticas, por parte das demais organizações, são feitas em relação a essa sucessão da IKMA. Em primeiro lugar, a eleição realizada não representou todas as organizações de krav magá e, logo, não tem legitimidade frente a diversos praticantes em todo o mundo. Em segundo lugar, os críticos apontam que no vídeo utilizado pela IKMA para legitimar os 9º e 10º dan a Haim Gidon, ao contrário do que vem sendo dito, não há a afirmação de que o 9º e 10º Dan seriam concedidos ao mesmo. De fato, se percebe que um dos alunos presentes na cerimônia pergunta a Imi se o 8º Dan que estava sendo concedido a Haim Gidon era a maior graduação no krav magá naquele momento. Imi responde: "No momento é, mas o 9º e 10º Dan ainda virão", não havendo qualquer menção de que estes graus seriam ofertados a Haim Gidon.
A Federação Sul Americana de Krav Magá - FSAKM, presidida por Kobi Lichtenstein, afirma que antes de sua expansão, Imi Lichtenfeld não nomeou um sucessor .

 

Associações e escolas

 

Escolas e associações de krav magá tem sido abertas por todo o mundo. Imi Lichtenfeld criou e presidiu uma única organização, a Israeli Krav Maga Association (IKMA), instituição criada por este em 1978, em conjunto com os seus melhores alunos, com o objetivo de servir de apoio, dar formação e divulgar o Krav Maga em Israel e no mundo.
Nos primeiros anos, havia poucas disputas pelo poder. As discordâncias entre os fundadores eram menores e eram resolvidas como se resolvem no seio de uma família. Imi Lichtenfeld tinha poder de veto e era a figura dominante, muito respeitado. Com a proliferação do sistema e o surgimento da segunda geração de sócios, as disputas internas e discordâncias foram aumentando. Os principais temas de discussão eram a gestão da organização, as diferenças de opinião sobre a eficácia das técnicas, e, mais importante, a luta pelo estatuto individual.
Um pouco por todo o mundo existem associações e escolas, muitas delas fundadas por antigos alunos de Imi Lichtenfeld ou por Instrutores formados pela IKMA, estando ligadas ao método de ensino do próprio Imi Lichtenfeld, divergindo por vezes do Krav Maga original adaptando-o e alterando-o conforme as suas necessidades e realidades dos países onde se encontram.
No final da década alguns dos mais graduados alunos de Imi decidem afastar-se da Israeli Krav Maga Association e formar as suas próprias Organizações, com métodos de formação e graduação próprios, todos alegando tê-lo feito com o consentimento do Presidente da Organização. Em 2004 Haim Gidon é eleito em assembleia-geral Presidente da Israeli Krav Maga Associaition. Procurando a expansão do sistema ou por divergência com opções tomadas por Imi e pela Direcção da Israeli Krav Maga Association, surgiram assim diferentes Organizações da modalidade:
- Eli e Avi Avikzar deixam IKMA em 1987, fundam sua própria organização chamada KAMI e um estilo divergente do Krav Maga, o Krav Magen.Eli foi o primeiro aluno de Imi Lichtenfeld a ter recebido a graduação de 8º Dan, obtida apenas por outro Haim Gidon em 1996. Eli morreu em 2004 e Avi assume desde então o comando da organização.
- Haim Zut IKMA deixa a IKMA em 1994 como 7º Dan, fundando a Kapap/Krav Maga Federation .
- Eyal Yanilov afasta-se da IKMA em 1994 como 7º Dan. Em 24 de Outubro de 1995 Eyal e alguns dos seus instrutores pediram permissão a Imi para iniciar a sua própria organização - IKMF ou International Krav Maga Federation. Os fundadores da IKMF foram: Eyal Yanilov, Eli Ben-Ami, Gabi Noah, Micki Asulim, Zev Cohen e Shachar Klarfeld. Eyal é nomeado instrutor chefe da IKMF. Em 2010 por novas divergências com os restantes membros da direcção da IKMF, Eyal afasta-se e cria a Krav Maga Global (KMG).
- Richard Douieb cria a Federação Europeia de Krav Maga em 1988. Afasta-se da IKMA definitivamente em 1998 após a morte de Imi como 5ºDan.
- Kobi Lichtenstein recebe de Imi Lichtenfeld a graduação de 6º Dan e é nomeado responsável pelo desenvolvimento do Krav Maga na América do Sul. Cria a Associação Brasileira de Krav Magá em 1990.
- A partir de então, no Brasil, Kobi Lichtenstein, da Federação Sul-Americana de Krav Magá, Yaron Lichtenstein, da Bukan School of Krav Maga e outros mestres vindos de outras partes do mundo formam novos faixas pretas. Alguns destes acabam se desligando dessas organizações e fundam suas próprias organizações, a semelhança do que houve em Israel.
- FOBKM / IMI MÉTODO federação oficial de combate Krav-Maga com seu departamento de artes unidas e treinamento internacional. Primeira organização na Bélgica início dos anos 90 e Treinamento (ESI grupo policial anti-terrorista). Seu representante técnico por muitos anos foi o capitão Pascal Vanostende. Ele tinha como professores e Rahim Gideon Richard Douieb, ele também representou na Bélgica. Graduou-se das mãos de Imrich Lichtenfeld em Netanya, Israel no IKMA. Apesar de pós-graduação em diversas disciplinas e KM apaixonado, onde criou uma abertura atual e modéstia sinônimo de purismo e ética. Todas as áreas de táticas militares israelenses ou não, com ou sem armas são uma parte integrante da formação. Quando a Europa quebrou Israel e que, com ou sem grau, começou a instruir KM, ele garantiu mais com Cedric Minotte, que também era formado em Israel.

Continue Lendo...

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Técnicas do Krav Mag

Juntamente com técnicas desenvolvidas por Lichtenfeld, o Krav Magá integra técnicas do combate militar, Kung-Fu , Karatê , Boxe , Muay Thai , Judô , Aikido , Wrestling ocidental e Jiu-Jitsu. O treino e objetivos são bastante diferentes, onde aumentamos a dificuldade e o stress nos piores tipos de situações (contra vários oponentes, contra a parede, enquanto se protege alguém, sem a utilização de um braço, quando tontos, contra agressores armados...).
Mais ainda, o fato de não haver regras conduz a um tipo diferente de mecanismo de reflexos (proteção da nossa zona genital e dos nossos olhos, por exemplo). O objetivo é ultrapassar rapidamente a situação. O treino enfatiza a prática na realidade em situações possíveis de ocorrer nos dias atuais. É colocada muita atenção em fatores como a resistência, a velocidade explosiva e a concentração. É comum desenvolver treinos com vários fatores externos propícios a causar distrações, para que o aluno se abstraia de tudo o que é irrelevante e se concentre na ameaça.
Mesmo que nos treinamentos grande parte da aplicação de golpes seja controlada e executada de forma segura, pratica-se exaustivamente sparring em todas as fases de combate (pé, clinch, solo) com contacto usando equipamento de protecção adequado, assim como na aplicação das técnicas de defesa pessoal

http://www.wallstreetfitness.com.br/imgs/Fotos/krav-maga_golpes.jpg
Continue Lendo...

Princípios do Krav Magá

A concepção do krav magá revela um caminho que permite qualquer um exercer o direito à vida, mesmo no cenário violento que nos rodeia. É a única luta não reconhecida mundialmente como arte marcial.Não há regras ou competições, pois sua técnica visa à legítima defesa em situações de perigo real. Com respostas simples, rápidas e objetivas para situações de violência do dia a dia, mostra ao cidadão comum como se defender, independentemente de condicionamento físico, idade ou sexo. Com origem militar, sua aplicação nas forças de segurança já foi adotada por corporações do mundo inteiro por sua eficiência em combate.
Os princípios utilizados na luta são:
  • ser o mais rápido;
  • manter o peso na área de contato com o alvo;
  • atingir os pontos críticos do corpo;
  • evitar ser atingido;
  • usar objetos ou ferramentas que estão por perto;
  • alternar de defesa para ataque rapidamente;
  • usar os reflexos naturais do corpo;
  • neutralizar o alvo;
  • ser objetivo (exemplo: se queremos fugir, fugimos; se queremos bater, batemos).
A ideia básica é tratar da ameaça imediata (um estrangulamento, por exemplo), prevenir que o agressor possa voltar a atacar, neutralizar o agressor, proceder todos os passos de maneira simples e eficaz. Ter em conta tirar vantagem da iniciativa do agressor o mais rápido possível. O krav magá geralmente assume uma posição em que se tenta infligir ou defletir o máximo de dor no oponente. Genitais, olhos, e outras zonas de "golpes baixos" são enfatizadas, tal como outros golpes em que se maximize o dano ao adversário. É utilizado o peso do corpo para se atacar (aproximadamente 2/3 do total). É claramente aceitável fugir da situação de conflito (retirada tática), se a situação nos obrigar a isso. O krav magá pode ser utilizado contra oponentes armados de várias maneiras ou contra vários adversários. É também um método de defesa muito eficaz em ambientes fechados (como um avião, por exemplo).
Continue Lendo...

O Krav Magá

Krav magá (em hebraico: קרב מגע, "combate próximo/de contato") é um sistema de combate corpo a corpo eclético, desenvolvido em Israel, que envolve técnicas de luta, agarramento e golpeamento.
O krav magá é derivado de habilidades de briga de rua, desenvolvidas por Imi Lichtenfeld como um modo de defender o quarteirão Judeu durante o período de ativismo anti-semita em Bratislava nos anos de 1940. Após sua imigração para Israel, ele começou a fornecer treinamento em combate corpo-a-corpo para o que se tornaria as Forças de Defesa de Israel, desenvolvendo as técnicas que se tornaram conhecidas como krav magá. Desde então ele tem sido aperfeiçoado para ambas aplicações, civis e militares.
Sua filosofia enfatiza a neutralização de ameaças, manobras de defesa e ataque simultâneos, e agressão.O krav magá é utilizado pelas Forças Especiais de Defesa de Israel e muitas variações intimamente relacionadas foram desenvolvidas e adotadas por organizações de imposição da lei e de recolha de informações, como Mossad, Shabak, FBI, unidades SWAT do departamento de polícia de Nova Iorque e Forças de Operações Especiais dos Estados Unidos. Existem várias organizações ensinando krav magá internacionalmente;o krav magá não é considerado um desporto, já que não possui regras. Todos os golpes são permitidos e treinados por forma a ultrapassar todo e qualquer tipo de situação de violência do modo mais rápida e eficazmente possível.

 

Etimologia

 

O nome em hebraico significa "combate corpo-a-corpo". Krav (em hebraico: קרב) significa "combate" e Magá (em hebraico: מגע) significa "contato" ou "toque".

 

História

 

O krav magá é resultado da vivência de Imi Lichtenfeld, em diversas artes marciais provinda principalmente do Japão.Primeiro ele ensinou seu sistema de luta em Bratislava para ajudar a proteger a comunidade Judaica local da milicia nazista. Ao chegar no Mandato Britânico da Palestina, Imi começou a ensinar Kapap para os Haganah, o exército Judaico.
Com o estabelecimento do Estado de Israel em 1947, Imi Lichtenfeld se tornou o Instrutor Chefe de Condicionamento Físico e Defesa Pessoal na Escola de Aptidão ao Combate das Forças de Defesa de Israel (IDF). Ele serviu na IDF por 20 anos, durante este tempo continuou a desenvolver e refinar o seu método de combate corpo-a-corpo.
Nos anos 70 ele saiu do serviço militar, mas continuou a supervisionar a instrução de krav magá em ambos contextos, militares e imposição da lei, além disso, trabalhou incansavelmente para refinar, aperfeiçoar e adaptar o krav magá para atender necessidades civis.
Os dez primeiros alunos de Imi Lichtenfeld a receberem a faixa preta 1º Dan foram: Eli Avikzar, Rafi Elgarisi, Haim Zut, Shmuel Kurzviel, Haim Hakani, Shlomo Avisira, Vicktor Bracha, Yaron Lichtenstein, Avner Hazan e Miki Asulin.
Em 1978, Imi Lichtenfeld fundou a Associação Isralense de Krav Magá (IKMA)junto com os seus mais experientes instrutores .O objectivo era a criação de um órgão sem fins lucrativos, que servisse de estrutura de apoio a todos os praticantes e que promovesse a pureza do Krav Maga, permitindo o seu desenvolvimento como o método de defesa nacional e combate no seio de uma organização não partidária, não política, e independente de outras organizações desportivas, é criada pelas mãos de Imi e dos seus melhores alunos a Israeli Krav Maga Association, tendo como fundador Imi Lichtenfeld

 

Expansão aos Estados Unidos

 

Até 1980, todos os especialistas em krav magá viveram em Israel e treinaram na Associação Israelense de Krav Magá. Aquele ano marca o começo do contato entre especialistas israelenses de krav magá e estudantes interessados, nos Estados Unidos. Em 1981, um grupo de seis instrutores de krav magá viajaram para os EUA para demonstrar o seu sistema, primeiro para Centros Comunitários Judaicos locais. O escritório de campo de Nova Iorque do FBI e o Principal Centro de Treinamento do FBI em Quantico, Virginia presenciou as demonstrações e expressou interesse. O resultado foi uma visita de 22 pessoas dos EUA a Israel durante o verão de 1981 para receber um curso básico de instrutor de krav magá. Os graduados deste curso retornaram aos EUA e começaram a estabelecer instalações de treinamento em suas áreas locais. Estudantes # suplementares viajaram a Israel em 1984 e novamente em 1986 para se tornar instrutores. Ao mesmo tempo, instutores de Israel continuaram visitando os EUA. Treinamentos para imposição da lei nos EUA começaram em 1985.

 

Expansão para a América do Sul e Brasil

 

Em 18 de Janeiro de 1990, Kobi Lichtenstein chegou ao Brasil, com o objetivo de introduzir o Krav magá na América do Sul. Kobi afirma que recebeu tal responsabilidade diretamente de Imi Lichtenfeld.
Em 28 de maio de 2010, durante os eventos da comemoração dos 100 anos do nascimento de Imi Lichtenfeld, a Federação Sul Americana de Krav Magá (FSAKM) organizou, na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, a maior aula de defesa pessoal do mundo. O evento foi auditado e registrado pelo Guiness World Records. Compareceram 2.212 pessoas, que receberam instruções do Mestre Kobi em um palco montado na praia. O evento também serviu para comemorar os 20 anos da introdução do krav magá no Brasil.
Atualmente existem outras federações de Krav Maga no Brasil, além da Federação sul-americana de Krav Maga (FSAKM).

 

Expansão para a África do Sul

 

Nos últimos dois anos, uma nova companhia de krav magá se instalou na África do Sul. O treinamento é constituído principalmente de treinamento civil, embora eles treinem para se preparar para se unir a unidades militares.

 

Expansão para a Europa

 

Nos anos de 1990 os pioneiros na Europa são para França, Bélgica, Alemanha, Espanha, Itália e Portugal.
Continue Lendo...

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Sistema de graduação no Sambo

Embora o sambo original não tivesse graduações ou rankings, a Federeção Internacional Amadora de Sambo (FIAS) propõe o seguinte sistema de ranking (ou faixas).
  • Novichok (preta)
  • Yunosheskiy razryad (cinza)
  • Vzrosliy razryad (marrom)
  • Kandidat of Master Sambo (verde)
  • Master Sambo (azul)
  • Master Sambo of International Class (vermelha)
  • Grand Master (ouro)
  • Uchitel (branca)
Além de seguir uma ordem inversa de cores das demais artes marciais proposto pela FIAS (no sambo a faixa branca é o grau mais alto e a faixa preta é o grau mais baixo), o exame de passagem de faixas preconizado pela referida entidade está relacionado a vitórias em combate com esportistas de mesmo ranking ou superior.
A URSS utilizava sistema distinto de graduação relacionado ao resultado em competições oficiais .
Continue Lendo...

As versões do Sambo

Embora tenha sido concebido como um sistema único, existem quatro versões de sambo.
  • Sambo esportivo: em termos de estilo, seria, grosso modo, uma junção da luta livre e o judô. A competição é semelhante a luta japonesa, com algumas diferenças em relação às regras, protocolo e uniforme. Por exemplo, permite todas as chaves de perna.
  • Sambo auto-defensivo: similar ao jiu-jitsu e o aikido, utilizado na defesa contra agressão armada ou desarmada.
  • Sambo de combate: Utilizado e desenvolvido pelos militares. É a raiz do sambo. Inclui formas de combate completas, incluindo chutes e socos. Embora tenha um caráter mais agressivo e sujeito a contusões, existem competições nesta versão.
  • Sambo especial: desenvolvido para as Forças Especiais do Exército e Forças de Reação Rápida. O estilo nesta versão diferencia de acordo com as tarefas e objetivos. Seria, em tese, um complemento ao sambo de combate.
A American Sambo Association (ASA) pretende introduzir o freestyle sambo, que seria o sambo esportivo com mais golpes de imobilização. Socos não são permitidos no freestyle sambo.

Continue Lendo...

O Sambo

Sambo (em russo: Cамбо) - é uma arte marcial moderna originariamente desenvolvida na União Soviética no início do século XX e reconhecida como esporte pela URSS desde 1938.
SAMBO é um acrônimo de "CAMооборона Без Oружия" (SAMooborona Bez Orujia), que em tradução livre pode significar "autodefesa sem armas".
Este estilo de luta é conhecido pela cultura popular como o praticado por personagens de jogos Street Fighter, Zangief e Abel e também Tekken Sergei Dragunov.

 

História

 

O sambo originou-se da junção de técnicas de autodefesa criadas ao mesmo tempo, porém independentemente, por Vasili Oshchepkov (1892-1937) e Viktor Spiridonov (1881-1943), técnicas estas com o mesmo nome (sambo) porém com estilos diferentes.
O estilo proposto por Spiridonov, um notório pesquisador de lutas, possuía raízes no boxe, no savate, na luta olímpica (a luta greco-romana e a luta livre), lutas eslavas, aikijujutsu japonês e diversas lutas chinesas. Spiridonov foi o primeiro a desenvolver técnicas relacionadas ao sambo.
A influência Oshchepkov eram o tenjin shin'yō-ryū e o kitō-ryū (escolas do aikijujutsu), além do judô. O estilo proposto por Oshchepkov é o que mais se assemelha ao sambo atual. Oshchepkov foi executado em 1937, durante o sistema de expurgos políticos promovidos pelo regime de Stalin .
Anatoly Kharlampiev (1906-1979), aluno de Oshchepkov, aprimorou o estilo proposto pelo mestre, compilando ainda as técnicas de Spiridinov. Foi também o responsável pelo reconhecimento da arte marcial junto ao comitê de esportes da URSS. Por suas contribuições técnicas e políticas, é reconhecido, por vezes, como criador do Sambo contemporâneo.
Entretanto, não há um consenso universal sobre a existência de um criador único do Sambô.

 

Organização desportiva

 

Federações internacionais

 

Em 1968, a Federação Internacional de Lutas Associadas (FILA) aceitou o Sambo como estilo internacional de luta, juntamente com a Luta Greco-Romana e a Luta Livre, modalidades estas já consagradas como olímpicas.
No ano de 1985, a comunidade de Sambo formou a sua própria organização, a Federação Internacional Amadora de Sambo (FIAS).
Em 1993, a FIAS dividiu-se em duas organizações, ambas utilizando o mesmo nome e logotipo. Estes dois grupos eram referidos como FIAS oriental (sob controle russo) e FIAS ocidental (sob controle norte-americano).
Doze anos mais tarde, em 2005, a FILA conseguiu um acodo com a FIAS ocidental e reassumiu a jurisdição sobre o sambo.
A FILA vem perdendo sua força junto ao sambo, o que pode ser notado no website da entidade. Atualmente, a FIAS (e não a FILA) tem o poder de jurisdição nas competições internacionais de sambo esportivo e de combate.
Os resultados das competições podem ser encontrados no site da FIAS.

 

Sambocas ilustres



  • Fiódor Emelianenko - Quatro vezes campeão mundial de sambo. Considerado, por muitas fontes, como o melhor lutador peso-pesado de MMA.
  • Vladimir Putin - Master Sambo (faixa azul) e presidente honorário da FIAS. É também faixa preta (branca e vermelha - sexto dan) de judô .
  • Blagoi Ivanov - Campeão mundial de sambo de 2008 (venceu o mundial de sambo de 2008, derrotando Emelianenko na semifinal 22 ).
  • Vladimir Kozlov - lutador profissional da empresa WWE. Por ser lutador, não necessariamente luta sambo nos ringues, mas é mestre na arte, assim como no judô, no caratê e no taekwondo.
Continue Lendo...

O Kenpo

Kenpō (em japonês: 拳法; lit. lei do punho) é um termo japonês para artes marciais. É a tradução para o termo chinês Quan fa, que significa "caminho do punho" ou "lei do principio do punho". Quan fa é um termo para estilos de punho aberto chineses. "Shorinji" é a forma japonesa para Shaolin, portanto shorinji kenpo pode ser traduzido por "punhos do templo de Shaolin". Seu criador era japonês, mas aprendeu Kung-fu na China e o adaptou para o ensino aos japoneses.
Mas Kenpo pode ser o designio de uma arte marcial surgida na China há milhares de anos. Kenpo significa "Lei da Palma" ou "Palma de Deus". É uma arte marcial de grande força e destrutividade por usar golpes sempre dignos de muita concentração e força.

História

 

Começou sua difusão no início do Século XVII, quando duas famílias japonesas (Kumamoto e Nagasaki) trouxeram uma versão do kenpo chinês chamado Chuan Fa, para Kyushu no Japão, que foi mantido somente entre suas famílias e gradualmente modificado durante 200 anos até se tornar o “Kosho Ryu Kempo” ou “Old Pine Tree School”.
Em 1916 um garoto de cinco anos chamado James Mitose foi mandado de sua casa do Havaí para Kyushu no Japão para aprender uma arte marcial chamada Kosho Ryu Kempo com seu tio Choki Motubu (um graduado Sensei em Kempo). James Mitose voltou ao Havaí em 1936, para abrir sua escola Oficial Sef-Defense Club em Honolulu, como responsável em levar o Kempo para os Estados Unidos. Seus primeiros alunos a serem graduados como cinturão preto incluíam Thomas Young (quem tomou conta de sua escola), William K.S. Chow, Edmound Howe, Arthur Keawe, Jiro Naramura e Paul Yamaguchi.
Willian Chow teve quatro irmãos, e todos treinaram Jujitsu. Autoridades do Jujitsu discutem a possibilidade de que ele possa ter incorporado algumas dessas técnicas no estilo de seu Sensei J. Mitose, e não pego movimentos do Kung Fu para formar o estilo que chamava Chinese Kara-Ho Kempo Karate. Abriu-se a primeira escola em 1949 no Havaí e muitos falam que foi o primeiro a soletrar Kenpo (n), para marcar essa quebra no estilo do Karaté de Mitose.
William Chow, que também era chamado de Professor Chow, passou seus ensinamentos a muitos bons alunos antes de sua morte em 1987, dentre eles o Grão Mestre Bill Ryusaki, fundador do Kenpo Havaiano. Uma nota importante é que não há diferença entre Kempo Karate e Kenpo Karate. Apesar de muitos dizerem que William Chow foi o primeiro a usar o termo "Kenpo" Karate, muitos afirmam que é somente uma variação na transliteração do Kanji original para as outras línguas do ocidente. Ambos têm a mesma tradução “A lei do Punho”.
Incluem alunos de Willian Chow: Adriano D. Emperado (fundador do Kajukembo), Ed Parker (fundador do American Kenpo), Bill Ryusaki (fundador do Hawaiian Kenpo). (Relatos falam também que o Kempo tem a fusão básica do Karate Japonês-reto, com a junção do Jiu Jitsu e Aikidô.O Kenpo já possuindo movimentos circulares com soltura e fluxo de movimentos, versão chinesa de Arte Marcial, herdando também uma maior diversidade técnica, devido à sua primeira aparição com William Chow).
Continue Lendo...

terça-feira, 23 de abril de 2013

Técnicas no Hapkido

Todo o movimento no HAPKIDO é racional e científico, isto significa que não há excesso de força física nos exercícios.
Estes movimentos previnem a degradação e o envelhecimento precoce do corpo, permite a circulação sangüínea por todas partes do corpo, regularizando o sistema nervoso e o desenvolvimento do cérebro através do estimulo das articulações e da pulsação das juntas do corpo.
Podemos dominar melhor os tipos de energia quando praticamos HAPKIDO e saiba também que este é um atalho para a força do corpo e a longevidade.
O nome dessa arte marcial em coreano revela praticamente toda sua filosofia.
“HAP” significa harmonia, união ou junção; ‘KI”: energia, força interna,
“DO” caminho espiritual, mais propriamente, unir a energia que inspiramos à energia já contida no corpo humano, com o objetivo de tornar a pessoa um indivíduo melhor.
“KI” representa a energia que há em todas as coisas e que precisamos manter em equilíbrio no nosso organismo.
Esse controle deve ser mantido através do equacionamento dos pólos negativo e positivo Yin e Yan. “DO” tem o significado estrito de caminho do bem.

Pela simples tradução percebe-se que essa é uma arte em que a parte física não é tudo o que importa na preparação do atleta.
É fundamental que se trabalhe também o lado mental, a fim de proporcionar uma evolução constante e preparar o indivíduo para a vida social e para a prática de respeito a tudo e a todos.
Essa evolução torna o atleta uma pessoa mais consciente, preparada para enfrentar as adversidades do cotidiano sem recorrer a violência.

O HAPKIDO divide-se basicamente em cinco partes:

NA POP: Vários tipos de quedas e rolamentos, para o praticante cair e não se machucar.

KOKI: Técnicas de torções nas articulações em geral, muito usado quando o adversário nos agarra ou quando está segurando algum objeto que possa nos ferir.

TERIGUI: Técnica de bater, utilizada para combates a média e curta distância com socos, chutes, cotoveladas, etc.
Essa técnica é essencial nas aplicações de torções ou na tentativa de imobilizar o adversário, pois após uma pancada a tendência deste é perder sua força e sua concentração, tornando-se um alvo fácil.

DONDIGUI: Técnica de arremessar, agarrar e derrubar, essa técnica é muito utilizada quando o adversário é maior e mais forte, e parte direto para o combate corpo a corpo.
Quando bem dominada pode ferir fatalmente o adversário jogando-o no chão.

PANTOGUI: Técnica de solo, quando bem dominada, essa técnica é muito eficiente pois a luta sempre começa em cima e acaba no solo.
Todas as técnicas do HAPKIDO devem ser usadas harmonicamente umas as outras, se não for dessa forma, não é HAPKIDO, pois ele é incompleto em si mesmo.
Continue Lendo...

Graus de aperfeiçoamento no Hapkidô

O Estilo Jung Do Kwan e os Graus de Aperfeiçoamento


Por volta de 1954 o jovem discípulo Park Sung Jae e seu Grão-mestre No Suk Pak passaram a organizar melhor os treinamentos, redefinir as técnicas a serem aprendidas para cada nível, enfim apresentar um novo formato mais organizado para o então Hapkido e também identificando esta nova escola como Jung Do Kwan (escola do caminho reto).
Grão Mestre Park Sung Jae ainda mantém alguns mestres treinando sobre sua supervisão pessoal, garantindo o futuro deste belo estilo de Hapkido, um dos mais antigos ainda existentes.
Graduação:
  • Faixa Branca
  • Faixa Cinza
  • Faixa Amarela
  • Faixa Verde
  • Faixa Azul Claro
  • Faixa Azul Escuro
  • Faixa Marrom (Auxiliar Instrutor)
  • Faixa Vermelha e Preta (Instrutor)
  • Faixa Preta 1º Dan (Professor)
  • Faixa Preta 2º Dan
  • Faixa Preta 3º Dan
  • Faixa Preta 4º Dan (Mestre)
  • Faixa Preta 5º Dan
  • Faixa Preta 6º Dan
  • Faixa Preta 7º Dan
  • Faixa Preta 8º Dan
  • Faixa Preta 9º Dan
  • Faixa Preta 10º Dan (Grão Mestre)

 

Graus de aperfeiçoamento estilo Semokwan

 

A caminhada do praticante dentro do hapkido do estilo Semokwan é divida inicialmente em Gubs e em seguida em Dans. Cada Gub corresponde a uma faixa colorida que o hapkidoista amarra na cintura, por sobre o dobok, a vestimenta característica dessa arte marcial. Lembrando que, dependendo do estilo praticado, as faixas podem adotar certas mudanças no grau de habilidade requerido ou cores.
  • Branca (10º Gub)
  • Amarela (9º Gub)
  • Amarela Ponta I (8º Gub)
  • Amarela Ponta II (7º Gub)
  • Azul (6º Gub)
  • Azul Ponta I (5º Gub)
  • Azul Ponta II (4º Gub)
  • Vermelha(3º Gub)
  • Vermelha Ponta I (2º Gub)
  • Vermelha Ponta II (1º Gub)
  • Preta (1º Dan) (Jo kyo Nim) - Instrutor
  • Preta (2º Dan) (Kyo sa Nim) - Professor
  • Preta (3º Dan) (Kyobu Nim) - Professor
  • Preta (4º Dan) (Sabum Nim) - Mestre
  • Preta (5º Dan) (Bumsan Nim) - Mestre
  • Preta (6º Dan) (Chongsa Nim) - Grão-Mestre
  • Preta (7º Dan) (Do bum Nim) - Grão-Mestre
  • Preta (8º Dan) (Do kam Nim) - Grão-Mestre
  • Preta (9º Dan) (Do sum Nim) - Grão-Mestre
  • Preta (10º Dan) (Do sa Nim) - Grão-Mestre
Exemplo: Vermelha com ponta preta é uma faixa vermelha com uma fita preta por toda sua extensão, sendo que as fitas dentro da faixa atual mostra a cor da próxima faixa do praticante.
A partir daí, o praticante chega aos Dans, cujos sinais exteriores limitam-se à presença não-obrigatória de pequenos traços perpendiculares na faixa preta, indicando 1º Dan, 2º Dan etc, até o 10º Dan.

Continue Lendo...

O Hapkidô

O Hapkidô ou Hapkido é uma arte marcial coreana especializada em defesa pessoal, e aprendizado de técnicas de socos, chutes, rolamentos, escapes, esquivas, torções, técnicas de alongamento e respiração, além de englobar técnicas com armas diversas como bastões, espadas, bengalas, facas, leques. Essa arte marcial também ensina seus praticantes a auto defesa com praticamente qualquer objeto.
Além de tecnicas de luta, o faixa preta em Hapkido é um Terapeuta, pois o Hapkido tem em seu treinamento o conhecimento de pontos de acupuntura e massagem, pontos que são utilizados em tecnicas de imobilização causando muita dor no adversário, mas que também são utilizados em tratamentos e terapias.


História

 

No início dos tempos, as artes marciais já eram praticadas não só pelo exercício físico dos monges, mas para que determinados povos lutassem por seus objetivos. Dessa mesma forma, numa época passada, o país que hoje conhecemos por Coreia, era dividido em três reinos: Silla, Koguryo e Paekche.
Dentro dos conflitos decorrentes destes três reinos, todos tinham em comum a prática das Artes Marciais. Essas Artes continuaram sendo treinadas e desenvolvidas até os dias de hoje, sofrendo grande influência de países vizinhos como China e Japão.
Uma das pessoas que teve grande influência dentro do moderno contexto marcial coreano foi o mestre Yong Sool Choi, nascido em 1904 e falecido em 1986. Choi nasceu na Coreia, na província de Chung Buk e devido ao falecimento dos seus pais, quando ele contava com idade entre oito e nove anos, acabou sendo levado para o Japão em condições controversas. Com essa cirscunstância social delicada, Choi entrou em depressão e passou a vagar pela ruas na situação de mendigo sendo constantemente surrado por outras crianças que também residiam nas ruas. Com pena da situação em que se encontrava Choi, um japonês o adotou. Antes ser mandado para a escola seu nome mudou de Choi para Tatujutu Yoshida. Choi teve muitas dificuldades na escola japonesa porque não tinha fluência na língua nipônica. Este fato favoreceu o pouco interesse pelos estudos e suas constantes brigas com as outras crianças. Foi então que Choi recebeu um convite para pertencer a um centro de estudos marciais das técnicas dos antigos samurais.
Choi foi residir com o mestre Sokaku Takeda, nascido em 1860 e falecido em 1943, que era um mestre nas artes marciais originadas dos samurai, cuja técnica marcial era denominada de Daito Ryu Aiki Jitsu. Choi residiu e treinou com o mestre Sokaku Takeda durante 30 anos, somente retornando a sua terra natal, a Coreia, em 1945, voltando a usar o seu nome coreano, Yong Sool Choi, e abandonando por completo o seu nome japonês.
Segundo a tradição, durante a sua viagem do Japão para Coreia, Choi perdeu uma parte da sua bagagem, incluindo dinheiro e os certificados comprobatórios dos seus treinamentos com o mestre Sokaku Takeda. Este é um fato polêmico dentro da biografia de Choi, porque muitos historiadores e pesquisadores marciais defendem a hipótese de que ele inventou esta perda dos seus certificados devido ao fato dele nunca ter treinado oficialmente com o mestre Sokaku Takeda. Por conta de sua condição de coreano, Choi seria somente um simples empregado do Mestre Sokaku Takeda, que era um xenófobo, algo considerado normal na posição de mestre marcial tradicional japonês, com descendência dos samurai. Alguns pesquisadores marciais afirmam que Choi realmente treinou com o mestre Sokaku Takeda, mas que nunca recebeu certificação ou qualquer outra titulação oficial, por ser estrangeiro e serviçal coreano num país com princípios tradicionais bastantes rigorosos.
O que se sabe com certeza é que Choi não foi para Ching Buk, sua terra natal, mas se dirigiu para outra região da Coreia, a Tae Gu. Sem dinheiro em Tae Gu, Choi começou vendendo pães nas ruas. Depois de um ano de trabalho passou a criar porcos e como tinha pouco dinheiro e precisava alimentar os porcos para os engordar e os vender, Choi acordava sempre muito cedo e ia até a Suh Brewery Company para poder adquirir gratuitamente a comida. Certo dia, em 1947, Bok Sub Suh, que era praticante de arte marcial e Presidente da Suh Brewery Company, observou fascinado da janela do seu escritório como Choi facilmente venceu em uma briga diversos adversários de uma única vez. Curioso Suh conseguiu levar Choi até o seu escritório e lhe perguntou qual era a arte marcial que ele praticava. Choi nada respondeu. Simplesmente Choi solicitou que Suh o segurasse na sua lapela e, de forma simples e objetiva, aplicou-lhe uma técnica que o arremessou facilmente ao chão. Achando ter sido sorte ou coincidência Suh mais uma vez agarrou a lapela de Choi e novamente foi levado até o chão.
Após este feito de Choi, Suh pediu para que lhe ensinasse suas técnicas marciais. Choi aceitou a oferta de Suh que incluía como pagamento mais comida grátis e uma quantia em dinheiro. Suh passou a ter aulas com Choi e foi criado o primeiro espaço para ministração de aulas sobre as técnicas marciais do Japão. Choi passou a ser um docente marcial, durante muitos anos ensinou o que aprendera no Japão e passou rapidamente a ter notoriedade. Inicialmente denominou sua técnica marcial de Yoo Sool. Choi acrescentou em seu estilo marcial algumas técnicas de chutes e armas, devido as influências de algumas artes marciais coreanas. Contudo a essência de sua marcialidade vinha do que ele tinha aprendido com o mestre Sokaku Takeda, no Japão, mesmo que Choi tivesse feito algumas adaptações para as realidades marciais existentes naquela época na Coreia.
Em 1954, outro acontecimento envolvendo Bok Sub Suk e Choi iria ser mais um marco para história marcial. Suk se envolveu em uma briga para defender o seu pai, Dong Jin Suh, de alguns bandidos. No combate Suk foi vitoriaoso pois utilizou as técnicas com uso dos pés que aprendera com o Choi. Depois disso Suk sugeriu a Choi alterar o nome da sua arte marcial de Yoo Sool para Yoo Kwon Sool, deixando bem claro que este estilo marcial ensinado por Choi consistia em utilização de técnicas de arremessos e torções com uso de eficientes pontapés. Após a guerra da Coreia, Choi abriu sua própria academia e continuou ensinado seu estilo marcial, e levou alguns dos seus ex-alunos a criarem seus próprios estilos marciais.
Outra pessoa importante, Ji Han Jae, nasceu em Angong, na Coreia, e foi um dos discípulos de Choi. Ele iniciou seus treinamentos com Choi em 1949, quando tinha somente 13 anos de idade. Ji Han Jae foi aluno de Choi em tempo integral até o ano de 1956, quando retornou para Angong, sua terra natal. Ao completar 18 anos Ji Han Jae passou a ser aluno de um homem no qual ele se refere como Taoist Lee. Então, segundo Ji Han Jae, o Taoist Lee passou a treiná-lo em vários métodos de meditação, armas marciais coreanas e técnicas de chutes Posteriormente em Angong, Ji Han Jae fundou sua própria academia e ministrou aulas durante nove anos. Ele ensinava Yoo Kwon Sool e sua academia era chamada de Na Moo Kwan. Depois se mudou para Seul em setembro de 1957. Inicialmente ficou em uma casa de tábuas em Whang Shim Ri. O filho do dono desta casa de tábuas era Duk Kyu Hwang, e foi o seu primeiro aluno. Ele chamou esta sua nova academia de Sung Moo Kwan.
Ji abriu outra pequena academia e passou a ter poucos alunos. Sua maioria era composta de alunos universitários, onde passou a ensinar uma mistura das técnicas de meditação, chutes, armas marciais aprendidas com Taoist Lee, que por sua vez foram aprendidas com Choi e seus princípios espirituais. Denominou este seu novo método marcial de Hapkido. Antes de usar o nome Hapkido, Ji Han Jae pensou em usar o nome Hapki-Yoo-Kwon-Sool, mas achou que o nome ficaria muito extenso. Ji achou interessante o nome Do, porque representa “caminho espiritual”, diferente de Sool, que somente transmite ideia de técnica. Dentro de sua visão psicobioespiritual (mente, corpo e espírito), o termo Hapkido se encontra melhor adequado ao seu objetivo marcial. Na verdade o nome Hapkido foi oficializado em 1959.
Segundo o próprio Ji Han Jae após criar o nome Hapkido para sua arte marcial, permitiu que o seu mestre Yong Sool Choi, por respeito, usasse este nome. Choi ensinou sua arte marcial com o nome de Hapkido por muitos anos, até a sua morte em 1986. Mas segundo o Ji Han Jae, Choi não teve condições de ensinar o currículo completo de Hapkido, porque desconhecia as técnicas de armas, chutes e os princípios espirituais dos quais Ji tinha treinado com outros mestres. Ainda segundo Ji, o currículo final do


Hapkido somente foi concluído em 1960, quando o mestre Moo Woong Kim se mudou para Seul e juntamente com Ji concluiu o currículo do Hapkido. Durante os aproximadamente oito meses Moo Woong Kim ficou sendo aluno de Ji Han Jae e deu sua contribuição para que as técnicas de chutes fossem preservadas no Hapkido. O Mestre Hee Song Kim, fundador da escola SONG DO KWAN, médico e advogado, veio para o Brasil e instalou-se, inicialmente, em São Paulo, e mais tarde, passou a residir em Curitiba definitivamente.
Em 1961, houve uma grande mudança política na Coreia. Pouco tempo depois Ji Han Jae assumiu um cargo no governo coreano para ensinar hapkido para a força de segurança do presidente da Coreia. Cargo este, que ocupou até 1979, deixando-o com a morte do presidente coreano, Chung Hee Park.
Em 1960 devido aos problemas políticos envolvendo Coreia e Japão, com destaque para o nacionalismo coreano, Ji Han Jae, leu um livro de aikido e observou que os caracteres japoneses de Aikido eram semelhantes ao do Hapkido. Levando-o a retirar o termo HAP da sua arte marcial e chamando-a somente de Kido. No mundo todo existem diversos estilos de hapkido. Há grupos que pregam que o criador do hapkido foi Ji Han Jae. Por outro lado existem grupos que aceitam a ideia de que esta arte marcial coreana foi criada por Yong Sool Choi. O fato é que tanto Ji Han Jae como Yong Sool Choi tem inestimáveis trabalhos dentro desta arte marcial.
O Hapkido acabou sendo uma arte marcial completa. E com isso era praticada e treinada pelos Militares.
Na década de 60 foi criada oficialmente a "The Korea Hapkido Federation", a primeira organização mundial de Hapkido, onde estavam como membros desta Organização grandes nomes de mestres coreanos, na direção desta organização estavam como President "Dae Hoon Choi", como Chairman "Grão Mestre Chong Kyu Pak", como Secretario Geral Mestre Park Sung Jae" (atualmente vivendo no Brasil e reorganizando o hapkido mundial), como mestre geral Ji Han Jae.
Os registros desse Histórico estão documentados nos arquivos da "The Korea Hapkido Federation".

 

Difusão

 

Alguns professores coreanos chegaram aos Estados Unidos no começo da década de 60 para ensinar o Hapkido. Entretanto, o Hapkido teve seu primeiro grande contato com o Ocidente no momento em que a Korea Hapkido Association enviou quinze de seus membros a Guerra do Vietnã para uma demonstração à tropas coreanas, americanas e vietnamitas do sul. O Mestre Hee Song Kim, fundador da escola SONG DO KWAN, médico e advogado, veio para o Brasil e instalou-se, inicialmente, em São Paulo, e mais tarde, passou a residir em Curitiba definitivamente.
Diante desse contato, professores coreanos como Mestre Lim (BA) que formou o primeiro faixa preta na Bahia, Ricardo Nery, chegaram ao Brasil no final da década de 60. Contudo, o sistema coreano introduzido na Bahia foi o KUK SOOL WON, uma outra arte marcial criada pelo Mestre In Hyuk Suh que havia treinado o Hapkido. Logo após Mestre Kang Byung Hak chegou em São Paulo. Em 1971 chega oficialmente em São Paulo o Grão Mestre Park Sung Jae, representando a Korea Hapkido Association. Alguns praticantes continuam trabalhando com o estilo dos Mestres citados, embora estes não dêem supervisão integral, com exceção do Grão-mestre Park Sung Jae - São Paulo. Em 1977, chega ao Brasil, na cidade de São Paulo, o Grão-Mestre Yun Sik Kim, faixa preta 10 dan Hapkido e 9 dan Taekwondo representante da escola BUM MOO HAPKIDO, instituindo um crescimento fantástico ao Hapkido, promovendo campeonatos estaduais e nacionais, seminários e cursos de defesa pessoal. O estilo BUM MOO consiste em um Hapkido forte e dinâmico, com uma plasticidade e multiciplicidade de técnicas de controle e imobilização. A luta desenvolve-se em pé(com chutes e socos, joelhadas e cotoveladas) e no solo (técnica de domínio com imobilização, chaves torções). O grão-mestre Yun Sik Kim é o presidente da Confederação Brasileira de Hapkido. Fora de São Paulo o BUM MOO é muito forte no Estado da Bahia, através do mestre Luiz Cláudio Xavier de Freitas, 4 dan, um dos principais alunos do mestre KIM. Penta campeão brasileiro em luta. O mestre Xavier é o presidente da Federação Baiana de Hapkido primando por um Hapkido sério. Vale ressaltar que a FBH foi criada em 1998 e anteriormente a Entidade que administrava o Hapkido na Bahia era o Centro de Treinamento e Estudo do Hapkido, criado em 1988 pelo mestre Cláudio Xavier que foi o primeiro baiano no ano de 2003 a conquistar o título de SABUNIN que significa aquele que é MESTRE. GM Park Sung Jae chega ao Brasil em 6 de Março de 1972. Muita gente pensa que ele foi convidado pelo exército brasileiro, mas na verdade ele chegou no Brasil sem nenhum convite especial. O que aconteceu é que ele procurou o alto comando do exército e se ofereceu para ensinar os militares brasileiros.
Para convencer o alto comando de suas qualidades técnicas foi preparado uma demonstração em um ginásio do exército em Quitaúna e nela o GM Park Sung Jae solicitou aos presentes que o atacassem. De forma surpreendente o GM Park Sung Jae dominou todos que o atacaram o os colocou no chão. GM Park Sung Jae agiu tão rápido que o coronel presente pediu para que ele repetisse a ação, porém aqueles que sofreram os ataques se recusaram a repetir em função dos fortes golpes que já haviam sofrido.
A partir de então o GM Park Sung Jae foi aceito e passou a treinar uma equipe do exército brasileiro.
Em homenagem ao Hapkido e ao GM Park Sung Jae pelo seu esforço e dedicação ao ensino dos militares brasileiros foi erguido um monumento dentro do quartel do exército.
Com a vinda do GM Park Sung Jae para o Brasil, seu irmão mestre Park Kyu Jae passou a tomar conta das academias na Coreia.
Atualmente GM Park Sung Jae continua ensinando o Hapkido, em aulas paparticulares para um grupo seleto de mestres faixas pretas e também ainda esta apresentando seminários no exterior e no Brasil.

Continue Lendo...